02:29 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    4418
    Nos siga no

    O Sistema de Bloqueio de Comunicações (CCS, na sigla em inglês) é a ferramenta que a Força Espacial dos Estados Unidos usaria para bloquear a comunicação de satélites inimigos em caso de conflito.

    "Basicamente, é um sistema móvel para bloquear comunicações. Considere isto como uma plataforma capaz de várias missões customizáveis", afirmou ao portal C4ISRNET Praveen Kurian, diretor-geral da divisão de controle espacial da L3Harris.

    A mais recente ferramenta dos Estados Unidos recebeu uma versão atualizada do sistema – CCS Block 10.2 – em março, mas uma nova geração da tecnologia já está em desenvolvimento.

    Sistema dos EUA de bloqueio de satélites inimigos
    Sistema dos EUA de bloqueio de satélites inimigos

    Em 9 de março, quando o sistema alcançou a capacidade operacional inicial, a Força Espacial aclamou o sistema como sua primeira arma ofensiva. A primeira geração do sistema foi entregue em 2004. A fornecedora L3Harris tem sido a principal contratada para as duas últimas grandes atualizações do sistema – Block 10.1 e Block 10.2.

    Devido ao sigilo por trás do programa militar, é difícil compreender as limitações e possibilidades desta tecnologia. Até o momento, sabe-se que se trata de um sistema móvel de guerra eletrônica que pode reversivelmente negar as comunicações por satélite de inimigos. Documentos orçamentários da Força Espacial norte-americana revelam que "o CCS provê efeitos de Controle Espacial Ofensivo (OCS) expedicionários, móveis e reversíveis aplicáveis em um todo o espectro de um conflito".

    Contudo, conforme analisado no relatório "Global Counterspace Capabilities" de 2020 da Fundação Mundo Seguro: "Não existem informações públicas ou qualquer característica técnica do CCS, tais como intervalos de frequência, níveis de potência e formas de onda". Os autores do relatório concluíram que o sistema tem como principais alvos satélites de comunicação operando em órbitas geoestacionárias.

    Atualmente, a fornecedora L3Harris já está desenvolvendo a próxima geração do sistema. Em 24 de janeiro, a Força Aérea alocou à companhia um contrato milionário para manter os equipamentos de guerra eletrônica do Centro de Sistemas Espaciais e de Mísseis.

    Mais:

    Imagem de satélite revela Marinha chinesa no Paquistão (FOTO, VÍDEO)
    Após falha, Irã anuncia que tentará lançar satélite Zafar novamente
    Perseguição espacial? EUA acusam russos de seguir seu satélite e Moscou reage
    Tags:
    Força Aérea, defesa, EUA, satélite
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar