09:41 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    111022
    Nos siga no

    A Marinha dos EUA enviou dois de seus drones de reconhecimento MQ-4C Triton para a base da Força Aérea de Andersen, localizada em Guam.

    Dessa forma, os EUA utilizarão esses drones para espionar a China e a Coreia do Norte. Os drones, de alta capacidade de vigilância, irão sobrevoar a área do Pacífico para enviar informação sobre a Ásia Oriental ao Pentágono.

    Até o final de março, está previsto que os dois drones adicionais sejam incorporados às operações realizadas a partir do hub da Força Aérea dos EUA no Pacífico.

    "A introdução do MQ-4C Triton na área de operações da Sétima Frota aumenta o alcance de patrulha marítima e a capacidade de reconhecimento da Marinha dos EUA no Pacífico ocidental", afirmou o comandante da Marinha dos EUA Peter Garvin.

    Com isso, os norte-americanos pretendem reunir informações de inteligência sobre a China e a Coreia do Norte, que podem ser obtidas através desses drones. Eles possuem uma autonomia de 13.000 quilômetros e são capazes de voar por 24 horas, conforme a Military Watch.

    Contudo, esses equipamentos também apresentam algumas desvantagens, como sua capacidade limitada de sobrevivência, demonstrada quando as forças iranianas abateram um equipamento norte-americano utilizando um sistema de defesa antiaérea simples.

    Outra desvantagem é o alto custo do equipamento, que custa mais de US$ 200 milhões (R$ 842 milhões) por unidade, um valor semelhante ao de dois caças F-35.

    Mais:

    Drone espião da Força Aérea dos EUA faz voo de reconhecimento perto da Crimeia
    EUA pretendem acabar com uso de drones fabricados na China
    Relatos de drones desconhecidos nos EUA estão tornando-se cada vez mais irrefutáveis
    Tags:
    EUA, reconhecimento, vigilância, veículo aéreo não tripulado, drone
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar