15:17 27 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    8120
    Nos siga no

    Substituição de blindados M2 Bradley do Exército americano é cancelada pela terceira vez enquanto instituição só recebeu uma oferta válida para o projeto de US$ 45 bilhões.

    Após os veículos blindados M2 Bradley terem atingido sua capacidade limite de modernização, o Exército dos EUA considerou seu programa de substituição por um novo veículo como um de seus projetos prioritários.

    Contudo, se por um lado somente uma empresa, a General Dynamics, fez uma oferta atendendo aos prazos e exigências estabelecidos pelo Exército para a produção de um veículo novo, a entidade militar decidiu cancelar o programa pela terceira vez após tentativas frustradas em 2009 e 2014.

    De acordo com o portal Military.com, citando o secretário para aquisição, logística e tecnologia do Exército americano, Bruce Jette, a tentativa fracassada não significa que o programa de substituição tenha sido totalmente abandonado.

    "Continuamos comprometidos com o programa OMFV [projeto do veículo] já que ele é o nosso segundo programa de modernização prioritário, e a necessidade deste veículo de combate terrestre é real", afirmou.

    Espera-se que a substituição dos Bradley custe US$ 45 bilhões (cerca de R$ 188 bilhões).

    M2 Bradley

    O veículo em questão é usado desde 1981 tanto para o transporte de tropas como para dar suporte à infantaria e combater veículos inimigos.

    O M2 Bradley já passou por diversas modernizações e, segundo um reporte do Serviço de Pesquisas do Congresso dos EUA, sua "capacidade tecnológica para acomodar novos sistemas eletrônicos, blindagem e sistemas de defesa já atingiu seu limite".

    Mais:

    VÍDEO surpreendente mostra tanque T-72 em ação na Índia
    Tanque T-90M deve integrar em breve a linha de frente do Exército russo
    VÍDEO mostra tanque T-62 resistindo a míssil na Síria
    Tags:
    programas de substituição, modernização, blindado, M2 Bradley, Exército dos EUA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar