18:00 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1245
    Nos siga no

    O Exército norte-americano estaria se preparando para organizar os testes de voo de veículos que serão lançados por novos sistemas de armas hipersônicas, conforme o Escritório Federal de Oportunidades de Negócio dos EUA.

    Segundo informação do portal InsideDefense, o Comando de Contratação do Exército dos EUA publicou uma solicitação de informação para testes de apoio de armas hipersônicas, especialmente sobre "os requisitos atuais, novos e em evolução de Engenharia de Testes Hipersônicos, Planificação de Missões e Sistemas (HyTEMPS)".

    O objetivo da solicitação de informação é conhecer as aptidões, capacidades e experiência dos potenciais fornecedores com relação aos enfoques para adaptar os testes de voo aos elementos que serão lançados.

    Fuzileiros navais dos EUA lançando um míssil Stinger na Romênia
    © AP Photo / Vadim Ghirda
    Fuzileiros navais dos EUA lançando um míssil Stinger na Romênia

    Além das possibilidades técnicas, o vencedor deve ter uma autorização de instalação para "informação classificada" e uma capacidade de proteger os segredos no momento da contratação.

    O Exército norte-americano pretende obter o primeiro protótipo experimental de arma hipersônica de longo alcance (LRHW) até 2023.

    O novo sistema de lançamento terrestre deve ser dotado de misseis hipersônicos com velocidade de mais de seis mil quilômetros por hora. Além disso, eles devem alcançar a parte superior da atmosfera terrestre e sair do alcance dos sistemas de defesa aérea do inimigo até estarem prontos para atacar.

    Mais:

    EUA pedem que Evo Morales 'não abuse de seu status' na Argentina
    Deputado venezuelano critica 'agressão' dos EUA e meta de 'colonizar' a América Latina
    Tecnologia alienígena seria usada pela Força Espacial dos EUA, segundo conspiracionista
    Tags:
    EUA, sistema de defesa aérea, armas, míssil hipersônico, míssil balístico, míssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar