22:22 06 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    12422
    Nos siga no

    O Tribunal de Contas da União (TCU) liberou a assinatura do contrato entre o consórcio Águas Azuis e a Marinha do Brasil.

    O contrato entre o consórcio Águas Azuis, que é formado pela brasileira Embraer e a alemã Thyssen, e a Marinha, prevê a construção de quatro corvetas da classe Tamandaré.

    As corvetas lançadoras de mísseis estão avaliadas entre US$ 1,6 bilhão (R$ 6,6 bilhões) e US$ 2 bilhões (R$ 8,2 bilhões).

    As embarcações devem ser construídas no estaleiro Oceana, em Santa Catarina, e podem empregar até duas mil pessoas, segundo o jornal Estadão.

    Embarcação de Desembarque de Carga Geral L20, o Marambaia, da Marinha do Brasil
    © Sputnik / Renan Lúcio
    Embarcação de Desembarque de Carga Geral L20, o Marambaia, da Marinha do Brasil

    O relator Augusto Sherman Cavalcanti alerta que o projeto de construção e aquisição das quatro corvetas "detém caráter estratégico de Segurança Nacional, já que se insere em programa mais amplo que objetiva tornar as forças navais brasileiras compatíveis com as missões que são ou podem ser dela exigidas [...]".

    A previsão era de que as embarcações fossem entregues entre 2024 e 2028. Com a aprovação do TCU, a assinatura para a construção das embarcações deve ocorrer no início de 2020.

    Mais:

    Brasil se prepara para exercício militar organizado pela Marinha dos EUA
    LAAD 2019: com direito a '7 a 1', Marinha do Brasil fecha acordo com alemães por corvetas
    Marinha do Brasil usa 'caveirão do mar' no combate ao narcotráfico e à pirataria
    Tags:
    mísseis, corveta, navio, Embraer, Defesa, Marinha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar