05:21 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Momento exato do lançamento de míssil interceptador realizado em 30 de agosto pelo Exército russo

    Míssil russo será invisível ao radar e 'inspira temor'

    © Foto / Ministério da Defesa da Federação da Rússia
    Defesa
    URL curta
    18765
    Nos siga no

    Um eventual inimigo terá cerca de 20 segundos para derrubar a "bola de fogo" hipersônica invisível ao radar em uma velocidade de 10 mil km/h, dizem especialistas.

    O portal russo Avia.pro, especializado em aviação, informou, citando uma fonte não identificada, que o míssil hipersônico russo 3M22 "Zircon" será invisível ao radar e "inspirará admiração".

    Segundo a fonte, o míssil será feito de um material composto exclusivo que inclui carbono e fibra de carbono, tornando a arma muito mais leve e tornando-a quase invisível ao radar.

    Avia.pro especula que o material compósito de Zircon será semelhante ao KIMF, usado no míssil balístico submarino 3M37 Skiff. Produzido pela fábrica UMATEX de Chelyabinsk, KIMF é um material leve, porém resistente, que oferece boa proteção térmica.

    A fonte, citada pela Avia.pro, observa que, viajando a 10.000 km/h, o míssil será tão quente que parecerá uma bola de fogo gigante no céu.

    "O inimigo não poderá ver o míssil no radar, mas poderá vê-lo no horizonte. Isso literalmente deve inspirar admiração", disse um especialista não identificado.

    No início de setembro, a revista Popular Mechanics informou que a defesa antimísseis dos EUA em seu atual nível de tecnologia terá apenas cerca de 20 segundos para abater um projétil hipersônico.

    "Isso não é tempo suficiente para o comandante do navio processar o que está acontecendo, muito menos lançar mísseis para abater o míssil hipersônico que está chegando", relatou a Popular Mechanics.

    O míssil foi apresentado oficialmente em fevereiro, pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin.

    Tags:
    Rússia, Defesa, armamentos, radar, míssil, 3M22 Zircon
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar