21:12 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bombardeiros B-25 norte-americanos comemoram o aniversário do ataque de Doolitle contra Tóquio durante a segunda guerra mundial.

    Força Aérea dos EUA é 'senil' e precisa de mais aviões para conter Rússia e China, diz especialista

    © AP Photo / Mark Duncan
    Defesa
    URL curta
    71213
    Nos siga no

    Força Aérea dos EUA é "senil" e precisa de mais bombardeiros para conter Rússia e China, diz especialista

    De acordo com o general Timothy Ray, chefe do Comando de Ataque Global, a USAF precisa de 225 bombardeiros para responder à suposta ameaça representada por rivais como a Rússia e a China. O militar norte-americano enfatizou que a quantidade desse tipo de aeronaves deveria aumentar de 156 para mais de 220.

    "O número ideal é cerca de 225 ou mais. O B-1 e o B-2 são aviões antigos", acrescentou.

    Especialistas notam que o problema da frota de bombardeiros se agrava porque as aeronaves são antigas: os B-1, B-2 e B-52 em serviço nos Estados Unidos foram desenvolvidos há décadas.

    B-52 contra Tu-95: os titãs nucleares da Guerra Fria que seguem voando.

    Ainda que Washington esteja melhorando a capacidade de seus aviões, o que permitirá mantê-los em operação ainda por muitos anos, a USAF necessita de novas plataformas, como o B-21 Raider, que deve ficar disponível na década de 2020.

    "A USAF é uma força geriátrica: tem bombardeiros, aviões de reabastecimento e aeronaves de treinamento de mais de cinquenta anos de idade, helicópteros de mais de quarenta e caças de mais de trinta anos, além de uma escassez de mais de 2.000 pilotos", comentou, por sua vez, o tenente-general David Deptula, reitor do Instituto Mitchell para Estudos Aeroespaciais.

    O general Ray lembrou que o problema dos bombardeiros se agrava ainda mais pela ausência de aviões dessa classe entre os aliados dos Estados Unidos: "Os aliados não possuem bombardeiros", disse.

    As declarações do general parecem refletir as preocupações expressas em diversas ocasiões pelos líderes do Pentágono de que a USAF não consiga manter-se à altura das rivais russa e chinesa até 2025.

    A USAF considera necessário aumentar o número de esquadrões de combate de 312 para 386. O mais recente plano da instituição inclui a criação de 22 novos esquadrões de exploração, sete de caças e cinco de bombardeiros, destacou o portal.

    Caça Su-27 russo intercepta bombardeiro estratégico B-52H da Força Aérea dos EUA, durante aproximação da fronteira russa na direção dos mares Negro e Báltico, 17 de junho de 2018
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Caça Su-27 russo intercepta bombardeiro estratégico B-52H da Força Aérea dos EUA, durante aproximação da fronteira russa na direção dos mares Negro e Báltico, 17 de junho de 2018

    A questão central é se os Estados Unidos serão capazes de impedir esse atraso. Como sempre, os altos funcionários destacaram a necessidade de aumentar o orçamento militar.

    "Infelizmente, a Força Aérea tem estado consistentemente subfinanciada há mais de vinte anos. Por isso, a USAF hoje é a mais antiga, a menor e a mais despreparada de toda a história de sua existência. Já não estamos lidando com forças semelhantes à nossa, mas sim com forças iguais, dados os avanços militares empreendidos por China e Rússia", concluiu Deptula.

    Mais:

    Caça russo Su-35S aterrissa pela 1ª na Turquia (FOTOS, VÍDEO)
    Força Aérea dos EUA testa aparelho que transforma aviões em veículos não tripulados (VÍDEO)
    Força Aérea dos EUA investirá em aeronaves descartáveis, indica secretário
    Tags:
    Rússia, China, caças, EUA, bombardeiros
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar