21:37 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    As Forças Aeroespaciais Russas realizam o lançamento de teste do novo sistema de aviação e míssil hipersônico Kinzhal

    EUA devem 'andar depressa' em armas hipersônicas para alcançar Rússia e China, diz general

    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Defesa
    URL curta
    925

    Os EUA devem "andar depressa" quanto ao desenvolvimento de armas hipersônicas, como a Rússia e a China estão fazendo, disse aos jornalistas o chefe do Comando Estratégico das Forças Armadas dos EUA, general John Hyten.

    "A Rússia e a China estão indo realmente rápido no que se refere às armas hipersônicas, temos que agir rapidamente para estarmos certos de que podemos ir tão rápido quanto eles", disse Hyten à margem de um na cidade em Colorado Springs. 

    O comandante expressou seu desejo de que os EUA e a Rússia se reúnam para um novo tratado START sobre a redução das armas nucleares.

    "Eu quero […] que o país esteja em um novo tratado START […] com nossos adversários, especialmente a Rússia", disse Hyten.

    Ele acrescentou também que espera que Moscou e Washington possam se reunir para discutir o tratado.

    Através do último tratado START (também conhecido como START III), os EUA e a Rússia se comprometeram a reduzir seus arsenais para 700 mísseis implantados, 1.550 ogivas nucleares e 800 vetores correspondentes, posicionados e em reserva, até 5 de fevereiro de 2018.

    Assinado em 2010, o acordo entrou em vigor em 2011 por um período de dez anos, prorrogável por outros cinco.

    As conversações russo-americanas para estender o tratado estagnaram devido a dúvidas recíprocas sobre o desenvolvimento de novas armas.

    Mais:

    Análise: inclusão da Guarda Revolucionária do Irã na lista de terroristas sairá caro a EUA
    Pompeo visita fronteira entre Colômbia e Venezuela neste domingo, dizem os EUA
    Quero que os EUA explorem a Amazônia, revela Bolsonaro após conversa com Trump
    Tags:
    armas hipersônicas, START III, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar