10:20 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Drone norte-americano RQ-4 Global Hawk. Esta é uma das aeronaves estacionadas na base aérea de Al-Dhafra

    Drone estratégico americano 'espia' perto da Crimeia (FOTO)

    © AP Photo / Northrop Grumman via U.S. Navy, Erik Hildebrandt
    Defesa
    URL curta
    745

    Um drone estratégico RQ-4B-40 Global Hawk, da Força Aérea dos EUA, realizou na sexta-feira (29) à noite uma missão de reconhecimento voando junto à costa da Crimeia, informou o portal de monitoramento PlaneRadar.

    De acordo com o portal, o drone decolou de uma base aérea na Itália e se dirigiu para a linha de demarcação em Donbass. Em seguida, o veículo aéreo não tripulado (VANT) voou ao longo da costa russa do mar Negro.

    17h05, horário de Moscou (11h05, horário de Brasília)
    Terminou o monitoramento da linha de demarcação em Donbass. Iniciou o voo de reconhecimento ao longo da costa russa do mar Negro.

    22h50, horário de Moscou (16h50, horário de Brasília)

    Avião Tu-154 (imagem referencial)
    © Sputnik / Mikhail Melnichuk
    ​Nos últimos tempos, a atividade de aeronaves de reconhecimento e VANT estrangeiros perto das fronteiras e instalações militares russas se intensificou. Em particular, aeronaves militares estrangeiras aparecem regularmente sobre o mar Báltico, junto à Crimeia e ao território de Krasnodar, bem como perto das bases russas na Síria.

    Recentemente, foram detectados não apenas aviões espiões americanos, mas também bombardeiros estratégicos Boeing B-52H sobrevoando perto das fronteiras russas.

    A entidade de Defesa russa já havia apelado a Washington que abandonasse essas operações de reconhecimento, mas o Pentágono recusou.

    Mais:

    Avião espião dos EUA realiza vigilância perto da fronteira ocidental russa (FOTO)
    Avião de reconhecimento dos EUA é detectado voando próximo da Crimeia
    Tags:
    espião, fronteiras russas, voos de reconhecimento, VANT, drone, Força Aérea dos EUA, mar Negro, Rússia, Crimeia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar