03:29 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis estratégico Sarmat

    Vice-ministro: Rússia não planeja instalar mísseis a menos que os EUA o façam na Europa

    © Sputnik / Aleksandr Vilf
    Defesa
    URL curta
    5290
    Nos siga no

    Rússia está pronta para tomar as medidas de retaliação necessárias para manter o equilíbrio na esfera de mísseis, mas não pretende colocar mísseis na parte europeia do país em determinadas condições, informou o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Aleksandr Grushko.

    Em entrevista à revista russa Mezhdunarodnaya Zhizn, Grushko observou que a Rússia tomaria todas as medidas simétricas necessárias para garantir um equilíbrio na esfera do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF). No entanto, segundo ele, Rússia não planeja implantar mísseis na parte europeia do país até que os mísseis americanos surjam na Europa.

    "Se os interesses de segurança predominarem e os europeus realmente não quiserem transformar o continente em um trampolim para instalação de forças norte-americanas e a sua subordinação militar, política e geopolítica total aos EUA, eles deverão se opor a esses planos (para a instalação de mísseis dos EUA na Europa), se eles realmente aparecerem", disse o diplomata de alto escalão da Rússia.

    No dia 4 de março, o presidente russo Vladimir Putin assinou o decreto sobre a suspensão do Tratado INF por parte da Rússia, comunicou a assessoria de imprensa do Kremlin, explicando que a suspensão vai estar em vigor até que os EUA corrijam as violações do Tratado cometidas por eles ou até que o Tratado seja cancelado.

    Desde 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações quanto ao INF, assinado em 1987 com a então União Soviética, que não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Mais:

    Pentágono vai testar míssil de cruzeiro lançado do solo proibido pelo Tratado INF
    Primeiro-ministro russo lamenta saída dos EUA do Tratado INF
    Saída dos EUA do Tratado INF pode abrir 'Caixa de Pandora', avisa especialista
    Tags:
    mísseis, Tratado INF, Aleksandr Grushko, Europa, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar