22:54 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0350
    Nos siga no

    Os novos mísseis hipersônicos Tsirkon, que estão sendo desenvolvidos pela Rússia, levariam apenas cinco minutos para destruir alvos a 500 km de distância, e iriam perfurar qualquer defesa adversária, afirmou o contra-almirante aposentado, Vsevolod Khmyrov.

    De acordo com ele, neste intervalo de tempo é possível identificar os mísseis voando em direção ao alvo, mas não os interceptar. 

    "Um sistema hipersônico como o Tsirkon praticamente perfura qualquer sistema de defesa antiaérea ou antimíssil. Não há proteção contra ele", frisou o contra-almirante aposentado.

    Segundo Khmyrov, os navios russos poderiam disparar simultaneamente cerca de 40 mísseis Tsirkon contra centros de decisões localizados no território dos EUA, que seriam garantidamente atingidos. 

    Khmyrov recordou que os EUA posicionaram na Romênia unidades de lançadores de mísseis Mk-41, e estão implementando sistemas análogos na Polônia. Ele apontou que os lançadores em questão são aptos para lançar os mísseis de cruzeiro Tomahawk. De acordo com o militar aposentado, estes sistemas de mísseis seriam controlados do território norte-americano. Ele supõe, que os militares ocidentais acreditam que por conta da distância da Rússia, em caso de retaliação russa, estes centros permaneceriam inatingíveis a armas de longo alcance. 

    "Um número de navios de superfície e submarinos com os mísseis Tsirkon, operando no Atlântico Ocidental, e na parte oriental do Pacífico, poderia constituir dois ou três navios em cada direção, portando a bordo cerca de 40 mísseis, então não há dúvidas de que esses centros serão destruídos de forma garantida", ressaltou Khmyrov.

    Mais:

    Índia apresenta protótipo do míssil de cruzeiro supersônico BrahMos
    CIA acusa Rússia de 'substituir' míssil 9М729, diz mídia
    Aviso a possíveis agressores? Caça venezuelano lança com sucesso míssil antinavio (VÍDEO)
    Tags:
    Rússia, Tsirkon, míssil hipersônico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar