14:49 07 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    4520
    Nos siga no

    A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) afirmou que as autoridades russas, no briefing para os representantes estrangeiros em 23 de janeiro, não apresentaram o míssil de cruzeiro 9М729, mas sim outro míssil, comunicou o jornal Daily Beast, alegando fontes próximas ao relatório da inteligência.

    Em 23 de janeiro, o Ministério da Defesa russo mostrou pela primeira vez a adidos militares estrangeiros o míssil 9M729 do complexo de defesa antiaérea Iskander-M, sua documentação e respetivo equipamento. Este míssil tem sido usado como pretexto para culpar a Rússia de violar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).

    A entidade russa informou que foram convidados os adidos militares e representantes dos países-membros da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), BRICS, UE, OTAN e outros países a participar do evento. No entanto, os adidos militares dos EUA, Reino Unido, da França e Alemanha, bem como os representantes da UE e da missão da OTAN na Rússia não estiveram presentes.

    Segundo os dados da inteligência norte-americana, revelados pelo jornal, no briefing, do qual os EUA não participaram, foi demonstrado "outro míssil" e não o 9М729.

    Posteriormente, o Ministério da Defesa da Rússia desmentiu a notícia sobre a "substituição" do míssil 9М729, qualificando-a como tentativas da inteligência norte-americana para evitar a sua responsabilização pela mentira, segundo o representante oficial da entidade, Igor Konashenkov.

    Lançamento de míssil balístico Minuteman III (foto de arquivo)
    © AP Photo / Foto de arquivo, Força Aérea dos EUA
    A CIA e Agência Nacional de Informação Geoespacial (NGA) consideram o contêiner do míssil demonstrado no briefing "insuficientemente grande" para o 9М729. Além disso, a inteligência dos EUA afirma que o 9М729 usa outro lançador e não o apresentado no evento.

    A inteligência dos EUA também declarou que a Rússia "não apresentou quase nada" que comprovasse a ausência de violações do Tratado INF.

    As entidades americanas reafirmaram a posição dos EUA de que, no decorrer dos testes, o alcance do 9М729 ultrapassou os 500 quilômetros. Eles consideram o 9М729 uma variante terrestre do míssil de cruzeiro Kalibr, que possui um alcance de até 2.350 km.

    O senador russo Frants Klintsevich chamou essas acusações de mentira cínica. "Eles acham que somos idiotas? Que a Rússia organizou um circo, apresentou um míssil falso e ninguém mais reparou?", indignou-se o senador, acrescentando que os americanos, ao afirmar isso, se envergonham perante todo o mundo.

    Segundo Klintsevich, essas acusações são falsas e serão desmentidas por especialistas de outros países, inclusive europeus, já daqui a uma semana. O senador afirmou que hoje em dia a mentira é a ferramenta principal da guerra de informação. Os EUA procuram camuflar o seu verdadeiro objetivo — a saída do Tratado INF e o posicionamento de mísseis na Europa, assinalou ele.

    Em 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações do Tratado INF assinado em 1987 com a então União Soviética e que proíbe os mísseis balísticos e de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    A Rússia também anunciou em resposta que suspende seu compromisso com o Tratado INF e começa a desenvolver um míssil hipersônico terrestre.

    Mais:

    Rússia conclui testes de novo míssil com sucesso
    Aviso a possíveis agressores? Caça venezuelano lança com sucesso míssil antinavio (VÍDEO)
    Corrida armamentista? EUA criam míssil hipersônico para competir com China e Rússia
    Míssil guiado de alta precisão da Índia passa com sucesso por testes de tiro
    Tags:
    substituição, briefing, míssil, Tratado de Forças Nucleares de Faixa Intermediária (INF), Ministério da Defesa Russo, CIA, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar