01:11 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Navio da Marinha sul-coreana, imagem referencial

    Coreia do Sul apresenta versão sobre incidente com avião de patrulha japonês

    © AFP 2019 / Kim Jae-Hwan
    Defesa
    URL curta
    570

    A Coreia do Sul voltou a declarar que seu navio militar não usou o radar de controle de fogo contra forças japonesas.

    O vídeo dura mais de quatro minutos e apresenta uma análise detalhada da filmagem apresentada pelo Japão há uma semana. De acordo com os sul-coreanos, a filmagem japonesa mostra uma versão deformada do ocorrido e também comprova ações ilegítimas do piloto japonês.

    Em particular, a filmagem mostra o comunicado de imprensa do Ministério da Defesa japonês sobre o incidente que foi divulgado em 28 de dezembro e que mostra trechos das regras internacionais de voo, inclusive sobre normas de altura mínima de voo. A parte sul-coreana sublinhou que as regras citadas correspondem à aviação civil e não militar.

    "Voltamos a declarar que o Japão deve interromper as ações que deformam fatos e apresentar desculpas por realizar voo na altura baixa sobre o nosso navio que estava realizando operação humanitária e de resgate", frisou Choi Hyun-soo, porta-voz do Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

    Foi acrescentado também que as ações do piloto da aeronave japonesa "representaram ameaça" para navio sul-coreano.

    O incidente ocorreu no dia 20 de dezembro de 2018. Como alega a parte japonesa, o navio da Marinha sul-coreana direcionou o radar de controle de fogo ao avião de patrulha japonês. O ocorrido resultou em protesto oficial por parte de Tóquio.

    A Coreia do Sul, por sua vez, insiste que o navio militar estava ajudando um navio norte-coreano com dificuldades nas imediações da área onde o avião japonês estava voando.

    Mais:

    Japão critica Coreia do Sul por enviar navio para ilhas disputadas
    Japão detecta possível entrega do petróleo a navio norte-coreano
    Tags:
    patrulha, avião, navio, Coreia do Sul, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar