14:28 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Teste de míssil norte-coreano Hwasong-12 (foto de arquivo)

    Especialistas dos EUA não acreditam na desnuclearização norte-coreana

    © REUTERS / KCNA
    Defesa
    URL curta
    430
    Nos siga no

    Segundo o portal americano 38 North, é muito provável que o centro nuclear de Punggye-ri na Coreia do Norte não tenha sido totalmente destruído.

    Anteriormente, a Coreia do Norte explodiu três dos quatro túneis utilizados para testes nucleares, entretanto, o portal americano assegura que imagens de satélite mostram que no local ainda há dois edifícios intactos, sendo o centro de comando e instalações auxiliares para o pessoal. Com isso, o portal afirma que os norte-coreanos apenas congelaram o local, possibilitando reativação no futuro.

    EUA e Coreia do Norte estão tentando seguir o acordo firmado na cúpula que ocorreu entre os líderes dos dois países em Singapura, no dia 12 de junho.

    O líder norte-coreano, Kim Jong-un, comprometeu-se com a desnuclearização total da península da Coreia, enquanto que o presidente americano, Donald Trump, prometeu garantias de segurança a Pyongyang.

    Entretanto, segundo a CNN, Pyongyang melhorou a base de mísseis Yeongjeo-dong, localizada no interior montanhoso da Coreia do Norte, além de construir outra instalação que não havia sido previamente identificada publicamente.

    Perante as acusações das autoridades americanas de que o líder norte-coreano não esteja cumprindo os compromissos assumidos na cúpula de Singapura, a Coreia do Norte está à espera de medidas recíprocas dos EUA e não de um desarmamento "unilateral".

    Mais:

    Desnuclearização demorada? Rússia está preocupada que Pyongyang não destruiu nenhuma ogiva
    Trump agradece coragem do líder da Coreia do Norte por medidas de desnuclearização
    EUA são 'irresponsáveis': China não dificulta desnuclearização da Coreia do Norte
    Tags:
    desnuclearização, nuclear, acordo, míssil, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar