19:34 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis Topol na Praça Vermelha, Moscou

    Ministério da Defesa da Rússia prolonga vida útil de mísseis Satã e Topol-M

    © AFP 2018 / ALEXANDER NEMENOV
    Defesa
    URL curta
    5180

    O Ministério da Defesa vai prolongar a vida útil dos mísseis nucleares Satã e Topol-M nas Forças Armadas russas.

    Com esse objetivo, o Ministério anunciou um leilão com o preço inicial (máximo) do contrato de US$ 14 milhões (R$ 43 milhões). O prazo de execução do contrato é até 10 de novembro de 2020. O vencedor do leilão será designado no dia 10 de dezembro.

    O sistema de mísseis R-36M Voevoda (SS-18 Satã, na classificação da OTAN) com o míssil pesado RS-20V foi colocado em serviço no final dos anos 80. Agora este míssil continua sendo o mais poderoso de todos os ICBM russos.

    Cada míssil R-36M Voevoda está equipado com dez ogivas separadas de pontaria individual e pode lançar até ao território inimigo um projétil termonuclear com potência de cinco a oito megatons. Além disso, o Satã pode portar muitas ogivas falsas, pesadas e ligeiras, que enganam os sistemas antimísseis inimigos.

    O Topol-M é um sistema estratégico de mísseis desenvolvido no final dos anos 80 e início dos anos 90. Na versão de baseamento em silo foi adotado para o serviço em 2000.

    Nos próximos anos vai entrar em serviço o sistema pesado de nova geração RS-28 Sarmat. O seu alcance supera 11.000 quilômetros, o míssil pode portar de 10 a 15 ogivas separadas com potência de até 750 quilotons cada uma.

    Mais:

    Caça russo de 5ª geração poderia receber mísseis hipersônicos na próxima década
    Por que muitos países optam pelos mísseis russos S-400 ao invés dos americanos?
    Especialista revela algoritmo no uso de guerra eletrônica em mísseis de cruzeiro russos
    Rússia lança produção em série de sistemas de guerra eletrônica para mísseis de cruzeiro
    Tags:
    mísseis estratégicos, Topol-M, Voyevoda, Satan, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik