10:26 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado das Forças Armadas dos EUA

    EUA começam exercícios militares 'globais' de dissuasão nuclear

    © flickr.com/ U.S. Army / Venessa Hernandez
    Defesa
    URL curta
    4019

    O Comando Estratégico dos EUA (USSTRATCOM) anunciou o início dos exercícios militares anuais das Forças Nucleares Estratégicas – o Global Thunder 2019 (Trovão Global 2019).

    De acordo com uma declaração feita pelo USSTRATCOM na segunda-feira (29), as manobras estão sendo realizadas para "refrear, localizar e, se necessário, evitar ataques estratégicos contra os EUA e seus aliados". Os exercícios visam determinar a prontidão das unidades militares envolvidas na dissuasão nuclear.

    "A tríade nuclear é a base da dissuasão estratégica. Nossas tropas devem estar preparadas para executar ordens em qualquer lugar do mundo quando for necessário", afirmou o general John Hyten. 

    Hyten observou que as manobras Global Thunder são multinacionais e pretendem unir os EUA, seus aliados e parceiros políticos e militares, incluindo a Austrália, Reino Unido, Dinamarca, Canadá e Coreia do Sul.

    Estes exercícios são os primeiros desde que os EUA anunciaram que sairiam do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) — tratado firmado com a Rússia na época da Guerra Fria — alegando que Moscou havia violado o pacto. Na semana passada, a Rússia tentou preservar o tratado em um projeto de resolução que apresentou no Primeiro Comitê da Assembleia Geral da ONU, argumentando que o pacto é necessário para a segurança internacional. No entanto, a maioria dos países votou contra a proposta.

    Mais:

    Imprensa: aviação da coalizão dos EUA ataca cidade síria com uso de fósforo branco
    Trump destaca 'excelente conversa' com Bolsonaro e fala da cooperação entre EUA e Brasil
    Especialista: ninguém tem experiência como a Rússia no Ártico
    Tags:
    dissuasão nuclear, Tratado INF, aliados, exercícios, USSTRATCOM, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik