07:27 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo).

    Especialista comenta possibilidade de guerra entre EUA e China

    © REUTERS / Hyungwon Kang
    Defesa
    URL curta
    5310

    O ex-comandante do Exército dos EUA na Europa, Ben Hodges, anunciou sobre a elevada possibilidade de uma guerra entre os EUA e a China. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o especialista em assuntos americanos Dmitry Mikheev comentou essa afirmação.

    O tenente-general aposentado Ben Hodges, ex-comandante do Exército dos EUA na Europa, disse nesta quarta-feira que os EUA provavelmente estarão em guerra com a China dentro de 15 anos.

    Ele apelou à Europa para fazer mais para garantir sua própria defesa perante o "ressurgimento da Rússia", porque os EUA precisarão concentrar mais atenção na defesa de seus interesses no Pacífico.

    "Os Estados Unidos precisam de um pilar europeu muito forte. Acho que em 15 anos, isso não é inevitável, mas há uma grande probabilidade de estarmos em guerra com a China", disse Hodges no Fórum de Segurança de Varsóvia, na Polônia, acrescentando que o compromisso dos EUA com a OTAN é "inabalável".

    Anteriormente, uma pesquisa do jornal Military Times mostrou que quase metade dos militares norte-americanos opinam que em breve os EUA serão envolvidos em uma guerra verdadeira.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista em assuntos americanos Dmitry Mikheev comentou essa afirmação.

    "Hodges e outros aposentados representam o assim chamado país profundo, que procura influenciar as decisões governamentais. Eles se aproveitam de seus laços para dirigir a política. É um negócio muito sério, porque tais pessoas não podem ser consideradas de ‘ex'. Quando eles se retiram, eles mantêm laços com funcionários no ativo, obtêm contratos e assim por diante", comentou o analista.

    Para ele, essa é uma parte importante do establishment não político dos EUA. Todos esses ex-chefes e altos funcionários das agências de segurança representam uma "comunidade". O ex-general reflete a opinião do establishment, mas não oficialmente, por isso se expressa de modo mais aberto e livre, destacou Dmitry Mikheev.

    Por essa razão, é muito interessante segui-los, opina o especialista. Às vezes, eles expressam a opinião pessoal em diferentes fóruns, mas de fato isso é a expressão de uma certa tendência de opinião. Neste caso, o que disse Hodges sobre um possível conflito militar entre os EUA e a China dentro de 15 anos "é uma tolice", assinalou o analista.

    O objetivo de Hodges foi reter os aliados europeus no âmbito da OTAN, indicar para a necessidade de continuação do financiamento e para a solidariedade entre os europeus e americanos, o que é um lobismo evidente para maiores gastos militares, concluiu Dmitry Mikheev.

    Mais:

    Facebook e Twitter negam interferência da China nas eleições dos EUA
    Trump: EUA aumentarão arsenal nuclear até que Rússia e China 'recobrem o senso'
    EUA podem voltar a enviar navios ao estreito de Taiwan, arriscando enfurecer China
    Força Aérea dos EUA precisará de novas bombas para enfrentar Rússia ou China, diz mídia
    Tags:
    comentário, aliados, guerra, militar, Rádio Sputnik, Europa, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik