09:49 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Blindados chegam no Rio de Janeiro

    Exército Brasileiro aumenta poder de fogo com 96 novos blindados

    divulgação
    Defesa
    URL curta
    222114

    O Exército Brasileiro trabalha na adaptação e modernização de 96 blindados que vão reforçar a artilharia e o combate terrestre das Forças Armadas. A Defesa ainda espera outras 32 viaturas no início do próximo ano.

    Os veículos desembarcaram no Porto de Paranaguá, no Paraná, após 16 dias de viagem. O lote, doado pelo Exército dos Estados Unidos, foi encaminhado ao Parque Regional de Manutenção da 5.a Região Militar.

    Falando à Sputnik Brasil, o tenente-coronel Nogueira, do Comando Militar do Sul, afirmou que o equipamento impulsionará a artilharia da Força.

    De acordo com o Exército Brasileiro, os blindados passarão por um processo de modernização e adaptação. Segundo o especialista em questões de Defesa, Pedro Paulo Rezende, em entrevista à Sputnik Brasil, o processo servirá para dar mais poder de fogo à tropa.

    "O canhão ganha mais alcance e passa a atingir alvos de até 30 quilômetros. O sistema de tiro é completamente modificado para o que chamamos de repotencialização. Trocam-se o cano do canhão e o sistema de tiros, então você tem um sistema que adquire mais rápido o alvo e permite maior precisão. […] Além de tudo, se modifica o sistema motriz do canhão autopropulsado. No final você tem praticamente um carro novo", ressalta o jornalista.

    Ao todo, o Exército recebeu 40 viaturas remuniciadoras M992 e 56 obuseiros autopropulsados M109 A5. O M109 A5, além de maior precisão no tiro e de melhorias no sistema de posicionamento e navegação, ainda será equipado com medidor de velocidade inicial, sistema eletrônico de pontaria, GPS, travamento automático do tubo, navegação inercial e computador de tiro.

    Segundo o tenente-coronel Nogueira, os blindados, que pesam cerca de 30 toneladas cada um, serão usados no apoio às tropas de Infantaria e Cavalaria.

    "As viaturas blindadas recebidas serão usadas nos grupos de artilharia orgânicos de brigadas blindadas e de artilharia divisionária, organizações militares que têm por missão precípua prover o apoio de fogo à manobra das tropas blindadas de Infantaria e cavalaria", conta o militar.

    Pedro Paulo Rezende explica que, em confronto, esse tipo de equipamento é utilizado na retaguarda, para dar apoio às tropas.

    "Os veículos são utilizados em apoios de fogo de tropa. São equipamentos que ficam na retaguarda. Eles não vão para a linha de frente, e servem para abrir caminho para as outras forças e para destruir os inimigos na retaguarda. Eles têm um alcance relativamente grande depois de modernizados e são bastante efetivos na função deles", explica o especialista.

    Rezende diz ainda que, em comparação com países vizinhos, o Brasil ainda está atrás em algumas áreas.

    "Na questão de artilharia, nós estamos à frente de outros países da América Latina. Inclusive a Venezuela, que tem equipamento com alcance de até 180 quilômetros. Em relação a outras áreas, como carros de combate e blindados que se utilizam diretamente em confronto, nós estamos atrás. Chile e Venezuela têm carros de combate mais modernos do que nós. O Peru está planejando substituir a frota de carros de combate deles por carros de combate T-90 russos", avalia Rezende.

    Além desses veículos, o Exército Brasileiro deve receber um novo grupo de viaturas no início de 2019.

    "Há previsão de chegada de um novo lote, no início do ano que vem: 32 viaturas M109 A5 Plus, que já estão em manutenção nos EUA", explicou o major Souza e Silva, da Seção de Transporte Internacional da Comissão do Exército Brasileiro em Washington, em nota divulgada para a imprensa.

    O M109 A5 tem maior alcance e reduz o tempo entre o recebimento da missão de tiro e o disparo, em mais de 80%, quando comparado aos modelos anteriores.

    Mais:

    Mapeamento da violência eleitoral no Brasil revela ações de apoiadores de Bolsonaro
    Metade dos brasileiros crê que há 'alguma chance' de nova ditadura no Brasil, diz pesquisa
    Analistas: perto da volta ao Mapa da Fome, Brasil vive 'vergonha' com 52 mi de pobres
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik