14:51 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Tripulação do MiG-31 conduz lançamentos do míssil hipersônico Kinzhal

    Analista militar: frota dos EUA será afundada se tentar bloquear forças navais russas

    Ministério da Defesa da Rússia
    Defesa
    URL curta
    7825

    Os EUA dificilmente conseguirão bloquear as forças navais da Rússia, porque elas são capazes de afundar a frota norte-americana, escreveu o especialista militar romeno Valentin Vasilescu em um artigo para o site Voltairnet.org.

    Recentemente, o secretário do Interior dos EUA, Ryan Zinke, afirmou que seu país poderia organizar um bloqueio naval da Rússia, se necessário, para impedir o fornecimento de energia aos países da região do Oriente Médio.  

    Conforme o especialista, no momento as Forças Armadas dos EUA não são capazes de fazer esse bloqueio. O Exército russo está firmemente estabelecido no Oriente Médio. Na Síria, estão implantadas bases aéreas e navais russas, o espaço do Mediterrâneo permanece constantemente coberto por sistemas eficazes de defesa antiaérea e supressão radioeletrônica. Além disso, a Frota do Mar Negro pode se tornar em qualquer momento na Frota do Mediterrâneo.

    Para bloquear a Rússia, os EUA precisarão de forças-tarefa com um núcleo de porta-aviões e helicópteros. Mas os recursos dos militares russos estão posicionados de tal forma que os norte-americanos não poderão usar porta-aviões e caças F-18, que podem operar a apenas 720 quilômetros de distância do porta-aviões. Assim, os militares dos EUA somente poderão usar suas aeronaves no mar Egeu, e é improvável que os porta-aviões o alcancem.

    As novas armas russas os afundarão imediatamente depois da passagem pelo estreito de Gibraltar. E os militares norte-americanos quase não têm meios de enfrentá-las, enfatiza Vasilescu. 

    Em particular, o analista citou armas como o mais novo míssil antinavio russo Kh-47M2 Kinzhal, que tem um alcance de 2.000 quilômetros, a velocidade de 10 Mach (12.250 km/h) e uma altitude máxima de 40 a 50 quilômetros. Em princípio, o seu adversário é o míssil norte-americano RIM-67 SM-2ER que atinge uma altitude máxima de até 33 quilômetros. No entanto, derrubar o Kinzhal é extremamente difícil. Ao mesmo tempo, o míssil russo dispersa ao seu redor 20 alvos falsos, portanto, serão necessários ao menos 20 antimísseis. Entretanto, os navios norte-americanos são capazes de lançar apenas 12 por vez.

    Vasilescu sugere que o sistema de defesa antimíssil americano Aegis, com os mísseis SM-3 IIA e IB, projetado para interceptar mísseis a uma altitude de 80 a 150 quilômetros, poderia ajudar no combate, mas esses mísseis perdem precisão a menos de 80 quilômetros. Já os militares russos dispõem de outros mísseis hipersônicos, especificamente o 3M22 Tsirkon. Esse míssil é capaz de voar até mil quilômetros e atingir uma velocidade de 8 Mach (9.800 km/h) em uma altitude de cruzeiro de 40.000 metros, com capacidade de manobrar ao se aproximar do alvo. Além disso, a energia cinética de seu impacto é 50 vezes maior do que a dos mísseis voando a velocidades subsônicas, acrescenta o especialista.

    Ao mesmo tempo, a Rússia também possui o sistema de mísseis Avangard, com mísseis balísticos intercontinentais capazes de transportar ogivas nucleares. Esse tipo de míssil entra na atmosfera a uma velocidades de até 20 Mach (24.500 km/h), comporta-se de modo completamente diferente de outros mísseis balísticos, já que pode mudar drasticamente a direção do voo e até mesmo ganhar altitude novamente. Para derrubar esse míssil balístico russo são necessários ao menos 50 mísseis interceptores.

    No momento, os EUA não conseguem organizar um bloqueio naval à Rússia, e o Pentágono, diferentemente das especulações do seu secretário do Interior, entende que a Rússia tem mecanismos modernos para proteger seus interesses, conclui Vasilescu.

    Mais:

    Estatal Rostec chama de 'roubo' ideia dos EUA de copiar armas russas
    Fonte dá detalhes sobre retirada de armas pesadas por radicais em Idlib
    Presidente da Ucrânia demonstra novas armas do Exército (VÍDEO)
    Tags:
    forças navais, aeronaves, bloqueio, mísseis, porta-aviões, Avangard, Tsirkon, Aegis, Kinzhal, Forças Armadas dos EUA, Frota do Mar Negro, Pentágono, Estreito de Gibraltar, Mar Egeu, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik