21:33 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Exército Jovem desfilando na Parada da Vitória

    Como moderno exército russo supera o herdado da União Soviética

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Defesa
    URL curta
    3231

    Um dos principais jornais croatas escreveu recentemente que as manobras Vostok 2018 provaram que as modernas Forças Armadas da Rússia não têm nada em comum com o exército herdado da URSS. Confira os detalhes da análise na Sputnik!

    A edição Vecernji List relembra que, no início da década de 90, os militares russos nem tinham com que se alimentar, enquanto as próprias Forças Armadas estavam em uma situação lastimável, o que foi provado pela Primeira Guerra da Chechênia.

    Atualmente, asseguram os autores, a Rússia "se tornou de novo uma potência mundial no sentido pleno da palavra".

    Assim, a doutrina militar russa mudou significativamente em comparação com a dos tempos soviéticos. Se, por exemplo, na época da Segunda Guerra Mundial, o Exército Vermelho se esforçava por vencer os alemães pagando um enorme preço em vidas humanas, o exército de hoje dá valor a cada soldado, escreve o jornal. Ao mesmo tempo, adianta o autor Bernard Karakas, o exército russo continua sendo um dos maiores pelo número de efetivos e permanece líder absoluto em número de tanques.

    A modernização de grande envergadura que começou em 2012 se focou principalmente em áreas específicas que escaparam ao olhar do Ocidente, assinala o jornalista.

    Em particular, foi construído um dos melhores tanques no mundo, o T-14 Armata, destinado a reforçar a base das forças terrestres. Ademais, apareceu uma nova família de caças Sukhoi, inclusive com tecnologia furtiva, que têm todas as capacidades para combates os aviões norte-americanos F-22 e F-35.

    Outro enfoque importante da modernização, no qual a Rússia conseguiu grandes sucessos, são os sistemas de mísseis, tais como o S-400, capaz de controlar o espaço aéreo de 400 km e com o qual nem o complexo estadunidense Patriot pode concorrer, assegura o autor.

    "Com a nova geração de ogivas, os mísseis russos não apenas se tornaram mais destruidores, mas também passaram a ter maior alcance que seus análogos ocidentais. Por isso, os russos podem efetuar um ataque contra posições do inimigo de uma distância segura, ficando inalcançáveis", adianta a edição.

    Para além disso, Bernard Karakas qualifica como "maior avanço" do exército russo a introdução dos sistemas de "combate do futuro", como os de guerra eletrônica, ciberguerra e os de tecnologia de ponta, nomeadamente, os drones. Estes aparelhos, por sua vez, são capazes de solapar as comunicações do inimigo, exercer influência psicológica nele ou ajudar os soldados a travar combates em áreas com severas condições climáticas, como no Ártico.

    "O crescimento do potencial militar russo não está completo, é um processo longo. Entretanto, já agora fica claro que as Forças Armadas da Rússia deixaram de ser uma massa miserável de pessoas e carne para canhão, para se tornarem em um exército capaz de oferecer resistência aos seus inimigos em um nível mais avançado tanto a nível tecnológico como operacional", conclui o autor.

    As manobras Vostok 2018 decorreram entre 11 e 17 de setembro sob o comando do ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, e envolveram militares russos, chineses e mongóis.

    Mais:

    Saiba como será novo Caçador Noturno russo, helicóptero pronto a integrar exército
    Mídia norte-americana chama caça Su-35 no exército da China de 'pesadelo' para EUA
    Análise: fórum russo EXÉRCITO é plataforma para cooperação militar fora da OTAN
    Tags:
    tanque, caça, T-14 Armata, Exército da Rússia, URSS, Croácia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik