22:39 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Cruzador porta-mísseis nuclear pesado Pyotr Veliky no Oceano Atlântico

    Analista revela em que resultaria possível confronto entre marinhas russa e estadunidense

    Assessoria de imprensa da Frota do Norte
    Defesa
    URL curta
    16393

    Em caso de guerra com a Rússia, a Marinha dos EUA seria destruída por métodos "não tradicionais", opinou o analista militar Aleksei Leonkov.

    Os comentários do especialista ao canal russo Zvezda vêm em resposta a um artigo de agosto do jornal americano The National Interest que analisa resultados de um hipotético combate entre um couraçado americano da classe Iowa e um cruzador de mísseis russo da classe Kirov.

    Enquanto o artigo do jornal americano afirma que os EUA são capazes de travar uma guerra rápida e vencer, Leonkov acredita que Washington subestima as capacidades de defesa da Rússia. Caso haja um confronto, avança o analista, Moscou não usará métodos "tradicionais, optando em vez disso por modernos sistemas antinavio a grandes distâncias". 

    O especialista sublinha que os sistemas de mísseis russos Kalibr já mostraram eficiência na Síria. Além disso, o país possui sistemas antinavio parecidos com o Kalibr de baseamentos terrestre e marítimo. A aviação russa, destaca, está sendo equipada com mísseis de cruzeiro X-35E e X-32.

    Além disso, a incorporação do mais recente míssil antinavio Kinzhal melhorou a interação entre a aviação e a Marinha no que respeita a resistir a potenciais grupos navais inimigos, servindo de base para o desenvolvimento do míssil Tsirkon.

    O autor ressalta que o comando russo não "cria expectativas" sobre batalhas navais nem "joga batalhas navais virtuais", baseando-se exclusivamente na experiência prática.

    Mais:

    Aeronaves russas simulam mais de 50 ataques durante manobras no Mediterrâneo
    Marinha russa receberá 2 novas fragatas até o fim de 2022
    Tags:
    navios, Marinha dos EUA, Marinha da Rússia, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik