08:40 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Caça F-35 da Força Aérea dos Estados Unidos, foto de arquivo

    Mídia americana indica nova vulnerabilidade do caça F-35

    © AP Photo / Rick Bowmer
    Defesa
    URL curta
    782

    O jornal norte-americano The National Interest revelou um ponto fraco do caça F-35 perante as forças da natureza.

    Segundo a edição, o avião é vulnerável a raios devido às particularidades de sua estrutura.

    Assim, no início de agosto, o Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos pediu para-raios portáteis para proteger os F-35B estacionados na base americana de Iwakuni no Japão.

    Como argumentaram os militares, o caça não assegura proteção passiva intrínseca contra raios porque é construído de materiais compósitos.

    Segundo o Pentágono, a construtora do F-35, Lockheed Martin, já está testando métodos para prevenir ameaças deste tipo, incluindo a proteção do "cérebro" do avião — o Sistema de Informação Autônoma Logística (ALIS, na sigla em inglês).

    A edição também aponta para o risco de explosão dos tanques de combustível do caça em caso de ser atingido por um raio. O problema, segundo The National Interest, não é novo e foi relatado pelo Pentágono ainda em 2012. Naquele ano, os testes do sistema de combustível do F-35 "identificaram deficiências na manutenção dos devidos níveis de oxigênio nos tanques de combustível para prevenir a explosão deste".

    Já naquele tempo, para resolver o problema era preciso aumentar a proteção do caça.

    Anteriormente, o Escritório Governamental de Contabilidade dos EUA apelou ao Pentágono para que este desenvolvesse um plano abrangente que ajudasse a resolver as numerosas falhas do F-35 antes de sua produção em massa ser iniciada no início dos anos 2020.

    Mais:

    O que leva o Pentágono a ocultar intencionalmente falhas do caça F-35?
    Nível de ruído do caça F-35 causa indignação na Dinamarca
    Tags:
    explosão, tanque, raio, falha, F-35, Lockheed Martin, Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, Japão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik