23:55 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Uma explosão nuclear (imagem ilustrativa)

    Pentágono: não há salvação para EUA em caso de guerra com Rússia ou China

    CC0 / Pixabay
    Defesa
    URL curta
    43619

    Em caso de uma guerra, o território dos EUA não conseguirá se proteger das armas russas e chinesas, reconhece o chefe do Comando do Pacífico, general Terrence O’Shaughnessy.

    "A situação da segurança está sofrendo mudanças", afirmou, citado pelo Military Times.

    "Antes costumávamos acreditar que os oceanos e os países amigos do sul e do norte tornavam nosso país inacessível, mas isso está mudando com adversários agora realmente capazes de nos atingir e afetar", declarou.

    Nessa conexão, o general assegura que é necessário mudar completamente a política de defesa dos EUA.

    "Temos que repensar seriamente a questão da defesa do nosso país e decidir como vamos nos proteger de um adversário igual", acrescentou.

    Ao mesmo tempo, ele assegurou que o Pentágono já está buscando meios para fazer frente às novíssimas armas da Rússia e China. Em particular, os militares estadunidenses tentam aumentar a capacidade de defesa do exército, inclusive através da modernização dos caças F-16 para que estes possam interceptar mísseis de cruzeiro.

    Em 1° de março de 2018, o presidente russo Vladimir Putin falou sobre um leque de novos armamentos que a Rússia começou a produzir recentemente, incluindo armas hipersônicas. Posteriormente, o líder russo precisou que a Rússia pode usar armas nucleares só como medida de retaliação.

    Ademais, o líder russo falou sobre a criação do sistema de mísseis Avangard, 20 vezes mais rápidos do que a velocidade do som.

    Os militares norte-americanos reagiram imediatamente ao discurso de Putin. Assim, John E. Hyten, chefe do Comando Estratégico das Forças Armadas dos EUA, afirmou que os EUA precisam desenvolver um sistema de radares de posicionamento orbital a fim de fazer frente às armas hipersônicas.

    Segundo ele, o Pentágono reconhece que os sistemas de detecção terrestres são insuficientes. Sendo assim, os EUA precisam alocar "somente" vários bilhões de dólares para a criação de um radar orbital.

    Mais:

    Ex-chefe de inteligência dos EUA sugere a Taiwan atacar porta-aviões chinês
    Moscou: EUA prezam mais derrota de regimes indesejáveis do que combate ao terrorismo
    'Pesadelo para EUA e OTAN': como serão maiores manobras russas das últimas 4 décadas?
    Tags:
    defesa, armas russas, política, guerra, segurança, Pentágono, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik