21:37 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis Iskander

    Imprensa norte-americana nomeia arma russa que deixará OTAN 'indefesa'

    © REUTERS / Sergei Karpukhin
    Defesa
    URL curta
    7290

    Após comparar o sistema tático operacional Iskander com as capacidades do sistema de defesa antimíssil da OTAN na Europa, a edição norte-americana Military Watch chegou à conclusão que a aliança não teria nada a contrapor à arma russa.

    "Ao levar em conta a experiência de uso em combate dos sistemas Patriot, estes dificilmente seriam capazes de interceptar os Iskander, sendo assim, as instalações da OTAN ficarão praticamente sem qualquer proteção perante o sistema russo", assinalaram os autores do artigo.

    Os especialistas reforçaram sua conclusão com os recentes resultados do uso dos sistemas Patriot no Iêmen, onde o sistema norte-americano se mostrou extremamente ineficaz contra o míssil R-17, utilizado por rebeldes houthis.

    O R-17 (Scud B em classificação da OTAN) foi adotado em serviço em 1962 e, segundo os autores da matéria, é uma arma muito mais simples que os Iskander.

    De acordo com o artigo, a adoção dos sistemas Iskander ao serviço tinha causado preocupações por parte dos aliados europeus dos EUA. A chefia militar sueca alegou que as tropas russas, utilizando estas armas, poderiam destruir rapidamente as instalações militares e aeródromos do país, assegurando sua vantagem em caso de um possível conflito.

    Enquanto isso, os autores assinalaram que o posicionamento dos Iskander no oeste na Rússia permitirá ao exército do país atingir praticamente qualquer ponto no norte da Europa.

    Mais:

    Que vantagens possui novíssimo míssil russo Kinzhal sobre seu 'irmão' Iskander?
    Confira lançamento de míssil balístico pelo temível sistema russo Iskander-M (VÍDEO)
    Sistema Iskander-M não terá concorrentes até pelo menos 2025, diz militar russo
    Tags:
    mísseis, sistema de defesa antiaérea, Iskander, Patriot, OTAN, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik