21:02 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth em Portsmouth, Reino Unido

    Militar britânico reconhece que Reino Unido ficou atrás da Rússia e China no campo bélico

    © AP Photo/ Gareth Fuller
    Defesa
    URL curta
    9814

    O chefe do Estado-Maior britânico, general Nicholas Carter, avisou seus subordinados sobre possíveis novas formas de ataques, eventualmente por parte da Rússia e China, que seriam difíceis de repelir.

    De acordo com ele, as Forças Armadas do país precisam ser transformadas "fundamentalmente" com a finalidade de defenderem das ameaças "ao leque tradicional das regras internacionais que têm mantido sua segurança e sucesso financeiro desde 1945".

    Dizendo que "as férias da história" que o Reino Unido teve desde o fim da Segunda Guerra Mundial estão acabadas, ele alertou que o país precisa estar pronto para responder, e para isso precisa estar melhor armado.

    "Eu receio que os 70 anos de férias da história possam estar concluídas e nós todos vamos precisar de lidar com isso", argumentou.

    Ademais, o general expressou a preocupação que seu país tenha ficado atrás da Rússia e China naquilo que ele descreveu como uma mudança distinta nas táticas de conflitos usadas por ambos os países que, na opinião dele, são "mestres" em controlar a "área cinzenta" entre a guerra e a paz.

    O militar britânico enumerou a "energia, dinheiro líquido, práticas corruptas nos negócios, ciberataques, assassínios, notícias falsas, propaganda e a boa velha intimidação militar do passado" como exemplos das armas usadas pelos russos e chineses para ganhar vantagem nesta "era de competição constante".

    Tal imagem tenebrosa foi expressa pelo general Nicholas Carter em meio à tensão elevada nas relações entre a Rússia e o Reino Unido na sequência do envenenamento do ex-espião russo, Sergei Skripal, em Londres.

    Mais:

    'O bom e velho mantra': Moscou ironiza acusações do Reino Unido sobre incidente com gás
    Reino Unido pensa restabelecer antiga grandeza aeronáutica fabricando novo caça?
    Marinha do Reino Unido planeja aumentar presença no Atlântico Norte
    Tags:
    exército, armas, Sergei Skripal, China, Rússia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik