21:01 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O sistema de defesa antiaéreo russo S-400 Triumph

    EUA inventam novo meio de dissuadir Índia de comprar sistema antiaéreo russo S-400

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Defesa
    URL curta
    7436

    Os EUA podem tentar persuadir a Índia para comprar os sistemas de defesa antimíssil norte-americanos para bloquear o acordo de compra do sistema antiaéreo S-400 por Nova Deli, escreve o diário The Economic Times.

    Conforme o jornal, a proposta pode ser anunciada no encontro do chefe da chancelaria e do ministro da Defesa indianos com o chefe do Pentágono em Washington em 6 de julho. É muito provável que os norte-americanos apelem aos colegas indianos para desviarem a atenção dos sistemas S-400 da Rússia e pensarem no sistema antimíssil THAAD.

    Os especialistas acham que os mísseis russos são mais eficazes contra um maior leque de ameaças aéreas do que o sistema antimíssil estadunidense. Ao mesmo tempo, o THAAD é muito eficaz na luta contra os mísseis de longo alcance, mas não está claro qual dos sistemas é melhor na luta contra os mísseis de médio alcance e os balísticos intercontinentais, escreve a edição.

    The Economic Times também aponta que a questão da compra dos sistemas russos se tornou politizada. Isto tem a ver com o fato de o Congresso dos EUA agora estar discutindo um possível alastramento das sanções contra as estruturas de defesa russas aos compradores das armas russas.

    No fim de maio foi comunicado que Moscou planeja fornecer à Índia vários sistemas de defesa antiaérea S-400 Triumph no valor total de mais de seis bilhões de dólares (quase 23 bilhões de reais). Foi referido que o acordo está quase finalizado.

    Mais:

    Por que EUA temem a cooperação russo-indiana?
    Erdogan critica os EUA por ação que pode impedir venda de caças F-35 aos turcos
    Mídia revela detalhes do acordo sobre venda de S-400 russos para Índia
    Tags:
    defesa antimísseis, defesa antiaérea, Thaad, S-400, Rússia, Índia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik