14:43 19 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos em torno do obuseiro M777A2

    EUA preparam 'potente adversário' para a artilharia russa, diz mídia (FOTO)

    © flickr.com/ Relações Públicas da Guarda de Virgínia
    Defesa
    URL curta
    4210

    Os EUA estão elaborando um protótipo de peça de artilharia cujo alcance de tiro deverá ser duas vezes superior ao dos atuais armamentos, comunicou a edição Warrior Maven.

    Trata-se do obuseiro M777ER, elaborado no âmbito do programa ERCA (Artilharia de Canhão de Longo Alcance). A nova arma norte-americana está sendo desenvolvida na base do obuseiro rebocado de 155 mm M777A2, cujo alcance de tiro atinge 30 km. De acordo com a edição, prevê-se que o M777ER seja capaz de atingir alvos a uma distância superior a 70 km.

    ​Obuseiro M777A2 ao lado do protótipo do M777ER no polígono de artilharia em Yuma

    Segundo a Warrior Maven, em comparação com o M777A2, esta modificação será 455 kg mais pesada, devendo o cano de canhão ser 1,8 metros maior. O M777ER será dotado de novos modelos de fechos e de freios de boca. 

    A edição acrescentou que a forma como o obuseiro norte-americano está sendo projetado visa  superar as características do novíssimo obuseiro autopropulsado russo 2S33 Msta-SM de 152 mm, capaz de atingir alvos a uma distância superior a 40 km. Além disso, os engenheiros planejam aumentar a mira do M777ER, aprimorando além de sua precisão, a capacidade de atingir alvos móveis, bem como de efetuar ataques de precisão em condições de baixa visibilidade.

    O obuseiro M777 é fabricado pela empresa de produção de material mélico BAE Systems. O peso de arma é 4.218 kg., com uma tripulação de cinco homens. 

    Mais:

    Rússia se livra de metade de seus títulos de dívida pública do Tesouro dos EUA
    'Insegurança': EUA pedem que cidadãos reconsiderem ir à Rússia
    Rússia critica plano da Noruega de ter mais tropas dos EUA na fronteira
    Tags:
    obuseiro, canhão, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik