00:22 24 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    485
    Nos siga no

    No fim de maio foi informado que os EUA haviam transportado à Polônia drones MQ-9 Reaper. O jornal russo Izvestia comenta por que este passo é especialmente preocupante para a Rússia.

    Uma breve informação sobre a transferência de drones foi publicada em um comunicado oficial da Força Aérea dos EUA na Europa e África. Porém, o comunicado teria passado despercebido se não fosse pela publicação do portal polonês theaviationist.com, que revelou que os veículos chegaram de secretamente em 9 de maio a bordo de dois aviões de transporte An-124 pertencentes à companha aérea ucraniana Antonov Airlines. O código de matrícula temporário emitido pela Administração Federal de Aviação dos EUA é a única marca de identificação que têm os novos veículos.

    No início de junho, o Ministério da Defesa da Polônia publicou várias fotos dos drones que pertencem à modificação moderna Block 5, que conta com uma aviônica moderna e uma capacidade de carga maior.

    O fato de os MQ-9 Reaper (Ceifeiro, em português) não terem outras marcas de identificação norte-americanas, embora os drones dos EUA sempre as tenham, deve-se a duas razões, acredita Aleksandr Ermakov, o autor do artigo para o jornal Izvestia.

    "A primeira sugestão que vem à cabeça é que se trataria de uma medida de precaução caso os drones se percam durante um voo de reconhecimento, digamos que perto de Kaliningrado", escreveu o colunista destacando que esta cidade russa é o lugar mais evidente onde pode ser utilizado o equipamento norte-americano.

    Outra razão pode ser explicada pelo desejo de "conter" a Rússia por meio de reconhecimento aéreo sobre as regiões mais importantes para o país, opina Ermakov.

    Segundo o autor do artigo, os EUA poderiam vender os veículos à Polônia. É provável, avança o colunista, que os Estados Unidos tentem organizar nos próximos meses um ensaio impressionante de seus aparelhos para os poloneses. É por essa razão que as partes escolheram como lugar de estacionamento dos novos drones a cidade de Miroslawiec, mais distante das fronteiras russas.

    O autor considera muito possível que em vários meses Washington entregue os primeiros "ceifeiros" à Polônia, que colocará nestes as marcas de sua Força Aérea.

    Para a Rússia, seja com marcas americanas ou polonesas, drones adicionais da OTAN perto de suas fronteiras representam um motivo para preocupações, principalmente porque os MQ-9 Reaper utilizam canais de comunicação por satélite.

    "Como os drones são equipados com meios de comunicação por satélite, é quase impossível determinar quem está controlando o veículo — podem ser inclusive especialistas norte-americanos em Nevada", escreve Ermakov.

    Os voos de drones sobre a região de Kaliningrado apenas aumentarão a tensão no Báltico, acredita o colunista do Izvestia.

    "[Posicionamento ou venda de drones] causará maior desconforto do que voos periódicos da aviação tripulada [perto de Kaliningrado]. Se esta é posicionada por um tempo determinado, já os "ceifeiros" terão todas as chances de ficarem para sempre perto da fronteira noroeste russa", concluiu o autor.

    O MQ-9 Reaper é o maior e mais poderoso drone desenvolvido pela General Atomics Aeronautical Systems Inc. e é usado para observação das instalações inimigas e posteriores ataques. Ele está equipado com sofisticados sistemas de radar e sensores, podendo transportar mísseis teleguiados.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar