07:09 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3222
    Nos siga no

    A revista norte-americana The National Interest escreveu que o veículo russo de apoio a tanques Terminator (Exterminador) de 3ª geração pode ser capaz de abater as armas mais mortíferas dos EUA. Analista militar russo dá a sua opinião sobre esse assunto.

    De acordo com a revista, o Terminator-3 poderá atingir todos os tipos de alvos — aéreos, terrestres, forças e equipamento inimigos. A nova versão do veículo ganhará projéteis terra-ar, que serão capazes de mudar de trajetória, permitindo ao Terminator abater veículos aéreos não tripulados.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, Viktor Litovkin, analista militar e coronel aposentado, comentou essa publicação.

    "Sem dúvidas, o veículo de apoio a tanques pode se tornar 'um assassino' de drones, porque é dotado de equipamento militar universal: tem um canhão de 30 milímetros, uma metralhadora de grande calibre – 12 milímetros, tem uma metralhadora comum de 7,62 milímetros, bem como mísseis supersônicos antitanque Ataka e Vikhr", explicou o analista.

    Segundo Litovkin, se essas armas forem apontadas a um drone, ele não sobreviverá a fogo tão massivo.

    "Além disso, o veículo de apoio a tanques [Terminator-3] tem um bom ângulo de visão e um bom radar, por isso pode facilmente detectar um drone e atingi-lo. Então, os norte-americanos não estão errados a este respeito', afirmou ele.

    Para o especialista, o Terminator-3 “deve ser usado junto com outros sistemas de combate, incluindo as estações de radar, sistemas de vigilância e de navegação para que seus sistemas sejam apoiados por sistemas ainda mais poderosos, de forma a que nem um drone consiga escapar”.

    Mais:

    Para que EUA propalam com tanta teimosia suas 'novíssimas' armas que nem sequer existem?
    'Fomos enganados': diplomata explica para que Rússia demonstra novas armas
    Tags:
    Rússia, EUA, Terminator-3, defesa, mísseis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar