17:29 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA

    Conheça 'assassino' russo que põe em risco capacidades furtivas dos aviões da OTAN

    © REUTERS / Master Sgt. Kevin J. Gruenwald
    Defesa
    URL curta
    16511

    O radar biestático russo Struna-1 se tornará "assassino" de aviões furtivos norte-americanos em caso de um conflito armado, assinalou The National Interest.

    Muitos países possuem aviões furtivos, ou seja, os aviões ficam invisíveis para radares graças ao uso de materiais e superfícies que absorvem ondas de rádio. 

    De acordo com a edição, as capacidades tecnológicas do aparelho russo ultrapassam consideravelmente os radares comuns. O Struna é capaz de detectar não somente aviões furtivos, mas também vigiar praticamente quaisquer alvos com uma pequena área de reflexão de sinal de rádio.

    O radar russo é diferente de outros sistemas quanto à potência, atingida por conta de uma posição especial de seu transmissor e receptor. Esta inovação torna o novo radar mais sensível, fazendo com que o aparelho seja capaz de detectar uma ampla gama de alvos, até mesmo asas-deltas e mísseis de cruzeiro.

    Além disso, a estrutura especial do Struna torna o sistema menos vulnerável para armas antirradiação, segundo o The National Interest. O Stuna é muito mais móvel que seus análogos ocidentais, adicionaram os autores da matéria.

    De acordo com o jornal, o sistema também é capaz de detectar alvos a uma altitude baixa, o que geralmente é uma tarefa impossível para radares comuns.

    O Stuna é um radar biestático desenvolvido para detectar aviões furtivos. Sua primeira versão foi apresentada em 1999, desde então, o sistema passou por várias modernizações.

    Mais:

    Moscou: OTAN coloca em risco a segurança dos países bálticos
    Contra que país OTAN estaria posicionando armas nucleares na Grécia?
    Equipamentos da OTAN encontrados na Síria sugerem preparativos para ataque químico
    Tags:
    radar, tecnologia furtiva, OTAN, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik