17:34 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento de míssil hipersônico antinavio

    Relatório dos EUA expõe medo aos mísseis hipersônicos russos Avangard

    © Sputnik / Ildus Gilyazutdinov
    Defesa
    URL curta
    12355

    O novo míssil hipersônico russo Avangard, arma contra quem os EUA atualmente não podem se defender, estará pronto para entrar em combate em 2020, segundo revelaram ao portal CNBC fontes com conhecimento direto dos relatórios da inteligência norte-americana.

    As fontes, que preferiram manter anonimato, assinalaram que a Rússia levou a cabo dois testes exitosos e um fracassado do míssil que poderia portar uma ogiva nuclear, enquanto o quarto teste será realizado ainda neste trimestre do ano.

    Segundo o relatório da inteligência citado por uma das fontes, os novos mísseis de cruzeiro hipersônicos russos foram baseados nos mísseis balísticos intercontinentais UR-100N UTTKh — SS-19 Stilleto, conforme a classificação da OTAN, enquanto um teste incluiu utilização de ogiva fictícia.

    As fontes apontaram que as caraterísticas da nova arma russa permitem enganar os sistemas de defesa antimísseis mais avançados. Além disso, os mísseis Avangard são altamente manobráveis, o que dificulta a sua vigilância.

    Os Avangard "atacam as brechas do nosso sistema de defesa antimísseis", assinalou ao CNBC, Thomas Karako, diretor do Projeto de Defesa de Mísseis do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais de Washington.

    "Não há melhor momento do que agora para modificar nossa postura atual sobre defesa de mísseis", adicionou Karako, concluindo que os EUA infelizmente deixaram que a Rússia avançasse.

    Mais:

    'Arquiteto de Guerras nas Estrelas' revela meios para destruir novíssimas armas russas
    'Estamos indefesos': americanos admitem supremacia de armas hipersônicas russas
    'Não é blefe, é real': oficial russo diz que Moscou tem armas só vistas antes em filmes
    Tags:
    guerra, armas hipersônicas, defesa, míssil, Avangard, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik