12:11 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Grupo de pilotagem Russkiye Vityazi, caças Su-27

    Força Aérea dos EUA ensaia combates aéreos contra aviões russos

    © Sputnik / Igor Russak
    Defesa
    URL curta
    33011

    A empresa privada dos EUA Pride Aircraft importou dois potentes caças Su-27 soviéticos da Ucrânia. Não está claro onde foram parar esses dois aviões, mas recentemente um Su-27 foi visto em exercícios de combate contra um F-16 sobre a base da Força Aérea de Nellis, em Nevada, afirmou Dave Majumdar, colunista da revista National Interest.

    O autor sugere que poderia ter sido um dos dois aviões comprados na Ucrânia. Segundo Majumdar, o ex-piloto Gerry Gallop viajou à Ucrânia para ajudar a comprar os dois Su-27 (conhecidos pela OTAN como Flanker) anos atrás. Gallop ficou impressionado com as capacidades da aeronave de construção soviética: o avião era especialmente rápido e atingia grande altitude.

    Este não é o único modelo de avião russo adquirido por empresas privadas norte-americanas, observou o jornalista. A companhia Air USA conseguiu adquirir três versões do MiG-29UB (versão de dois lugares) e é capaz de fornecer uma réplica excepcionalmente autêntica desses aviões.

    Os MiG-29 da Air USA foram importados diretamente de uma antiga república da União Soviética. Todos os aviões estão equipados com peças autênticas fabricadas na URSS, informou a empresa no seu site. "Os aviões MiG-29 da Air USA são capazes de realizar qualquer missão no ar, oferecendo excelentes oportunidades de treinamento e testes de voo", lê-se no site.

    Além disso, a empresa Draken International orgulha-se de ter diferentes aviões soviéticos: de aeronaves de treinamento avançadas a MiG-21.

    "Os aviões construídos pelos soviéticos provavelmente são caros para manter nos EUA. Mas se o empresa estiver disposta a assumir o custo e vender seus serviços à Força Aérea dos EUA, poderia ser um bom negócio", conclui o colunista.

    Tags:
    aviação militar, Su-27, EUA, URSS, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik