16:51 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Fuzileiro naval da Frota do Norte russa durante treinamentos na região de Murmansk, Rússia

    Exército dentro de exército: assim cumprem suas missões fuzileiros navais russos (FOTOS)

    © Sputnik / Pavel Lvov
    Defesa
    URL curta
    1141

    Assalto a uma ilha ocupada pelo inimigo, tomada sob controle de uma zona costeira ou destruição de uma base naval: eis as tarefas que por vezes apenas os fuzileiros navais podem realizar.

    Em 1 de dezembro, foram iniciados treinamentos em grande escala dos fuzileiros navais da Frota do Pacífico da Marinha russa. A região de Primorie e Kamchatka viraram polígonos de manobras intensas com participação de quase 1.000 militares e 1.500 unidades de equipamento.

    Aproximar-se dissimuladamente, desembarcar muito rapidamente e manter as posições até à chegada das forças principais é o que na maioria dos casos fazem os fuzileiros navais. Durante os 300 anos de sua história, este tipo de tropas passou por muitas reformas. Hoje em dia, eles são soldados excelentemente preparados, cuja tática de ação foi treinada em múltiplas guerras e conflitos.

    Um exército dentro do exército

    O principal segredo da elevada eficácia destas tropas consiste em ações muito bem coordenadas, ou seja, podemos falar de um exército compacto, excelentemente equipado e organizado, dentro do exército russo. Recebida a ordem, os fuzileiros navais russos são capazes de atacar e derrotar o inimigo instantaneamente. De fato, são as únicas tropas na estrutura do exército russo que podem desembarcar tanto por mar, como do ar.

    Um fuzileiro naval russo
    © Sputnik / Pavel Lvov
    Um fuzileiro naval russo

    Conforme a estatística, apesar de os fuzileiros navais atuarem nos locais mais perigosos, o nível de baixas entre os soldados é mínimo em comparação com as outras tropas.

    "A infantaria naval é excelente porque consiste de vários tipos de forças unidos sob um mesmo comando", explica o ex-comandante de um batalhão de assalto de fuzileiros navais, coronel Viktor Vdovkin, à Sputnik.

    "Tem tudo: tanques, artilharia, inteligência, paraquedistas e fuzileiros, a infantaria que desembarca por mar. Os comandantes das brigadas treinam a interação completa de todo o tipo de forças", adicionou.

    Ataque a partir do mar

    Desde os tempos da Segunda Guerra Mundial, a tática dos fuzileiros navais mudou significativamente. Com o surgimento das novas tecnologias e equipamentos sofisticados, o poderio dos ataques aumentou consideravelmente.

    Desembarque dos fuzileiros navais da Frota do Mar Negro da Marinha russa
    © Sputnik / Sergei Pyatokov
    Desembarque dos fuzileiros navais da Frota do Mar Negro da Marinha russa

    A operação começa habitualmente com o desembarque de nadadores de engenharia que limpam o fundo e as águas costeiras do arame farpado e outros obstáculos perigosos, assim como abrem corredores em campos de minas. Depois a costa é "trabalhada" com fogo maciço da artilharia e aviação naval; os alvos detectados antecipadamente pela inteligência são atacados com mísseis de cruzeiro.

    Helicóptero Mi-8 despois do desembarque de um grupo de assalto durante treinamentos da Frota do Pacífico da Marinha russa
    © Sputnik / Vitaly Ankov
    Helicóptero Mi-8 despois do desembarque de um grupo de assalto durante treinamentos da Frota do Pacífico da Marinha russa

    Logo após o bombardeio da artilharia se segue o desembarque por ar dos destacamentos de assalto e de reconhecimento, cuja tarefa principal consiste em cortar as vias de comunicação entre a retaguarda e a frente do inimigo e eliminar postos de comando. Para pegar de surpresa o adversário, também se usa o chamado desembarque "sem paraquedas", que se realiza de helicópteros que voam apenas a dois metros sobre a terra.

    O último passo é o desembarque anfíbio dos navios das forças principais que se concentram em uma "força de ataque", rompem as linhas da frente do inimigo, ampliam a testa de ponte e fortificam suas posições.

    Veículo blindado durante treinamentos na região de Primorie
    © Sputnik / Vitaly Ankov
    Veículo blindado durante treinamentos na região de Primorie

    Na linha da frente

    As frotas russas do Pacífico, Norte, Báltico e do Mar Negro, bem como a Flotilha do Cáspio, têm suas brigadas de fuzileiros navais. Na Síria eles garantem a segurança da base russa de Tartus e da base aérea de Hmeymim.

    Os fuzileiros navais contam sempre com material e armamento muito modernos e sofisticados. Para transportar os efetivos até à costa se usam principalmente navios de desembarque, tanto grandes como pequenos. O mais recente deles, o navio de desembarque grande Ivan Gren, do projeto 11711, passou pelos testes no Báltico. Este navio pode garantir o desembarque anfíbio de efetivos e equipamento pesado usando pontões. O navio pode transportar até 300 fuzileiros navais e 36 veículos blindados ou 13 tanques. A bordo se baseia um helicóptero de transporte e desembarque.

    Navio de desembarque grande Ivan Gren
    © Sputnik / Igor Zarembo
    Navio de desembarque grande Ivan Gren

    Como a situação no mundo muda a cada momento, o Ministério da Defesa da Rússia presta muita atenção ao rearmamento destas tropas. Não se pode excluir que no futuro os fuzileiros navais farão parte das unidades muito potentes que protegerão os interesses da Rússia nas regiões estrategicamente difíceis, inclusive no Ártico.

    Mais:

    Primeira mulher da história poderá integrar Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos
    Fuzileiros navais vão defender crescentes interesses estratégicos da China
    Tags:
    infantaria, fuzileiros navais, Marinha da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik