03:14 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Teste do míssil interceptor russo (imagem referencial)

    Especialista militar: interceptor A-235 'pode ser instalado em qualquer ponto da Rússia'

    © Foto: Youtube / Vasya Ivanov
    Defesa
    URL curta
    4260

    O Ministério da Defesa da Rússia divulgou um vídeo com os testes do novo míssil modernizado A-235. O especialista militar Aleksei Leonkov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, frisou que este tipo de míssil pode ser instalado em qualquer ponto da Rússia.

    O Ministério da Defesa da Rússia divulgou um vídeo dos testes do novo míssil interceptor. Os ensaios foram realizados pelas tropas da Força Aeroespacial da Rússia. O interceptor de mísseis modernizado atingiu com sucesso o alvo convencional.

    Vale destacar que a velocidade mínima de voo do novo antimíssil russo chega aos 3 km/s (10.800 km/h) o que supera várias vezes a velocidade de uma bala.

    O especialista militar Aleksei Leonkov, diretor comercial da revista Arsenal Otetshestva, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, enfatizou que as capacidades do novo complexo são significativamente maiores.

    "Em Sary-Shagan decorreu mais uma fase de testes do novo míssil, que em breve será adotado pela defesa antimíssil. É um sistema de defesa móvel, o que permite instalar tal tipo de mísseis por todo o perímetro do país e em qualquer ponto da Rússia, protegendo assim não apenas a Região Econômica Central, como hoje em dia é assegurado pelo sistema de defesa antimíssil A-135, mas proteger todos os alvos, todos os territórios necessários; são estes os objetivos principais destes sistemas", assinalou Aleksei Leonkov. 

    Mais:

    China revela arma hipersônica capaz de enganar defesa antimíssil norte-americana (VÍDEO)
    Rússia estima que defesa antimíssil dos EUA cria 'uma ilusão de impunidade'
    'Sistemas de defesa antimíssil THAAD na Coreia do Sul têm como alvos Moscou e Pequim'
    Tags:
    defesa antiaérea, míssil, Ministério da Defesa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik