16:04 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Bombardeiro estratégico americano B-52

    EUA 'reanimam' bombardeiros de mísseis nucleares de olho em Pyongyang?

    © AFP 2019 / EPA PHOTO/PA/TIM OCKENDEN
    Defesa
    URL curta
    983

    Os temíveis bombardeiros estratégicos B-52 Stratofortress talvez sejam a melhor arma que os EUA têm no momento, caso decidam levar a cabo uma guerra nuclear com a Coreia do Norte, acreditam os especialistas militares russos entrevistados pelo portal russo.

    "É quase certo que esta decisão tenha a ver com a Coreia do Norte: esta é a única ameaça emergente desde 1991 que justifica a reincorporação, bastante custosa, dos B-52 conservados em serviço ativo", afirmou Viktor Murakhovsky, o editor-chefe da revista militar Arsenal Otechestva, ao portal de notícias Ridus.

    Ao ser tomada, a decisão sobre os B-52 tinha um aspecto técnico — a posta em marcha dos próprios aviões, dos quais foram construídas mais de 700 unidades — e organizacional, ou seja, a capacitação das tripulações e sua vigilância constante 24 horas por dia, adiantou o especialista.

    "Ainda não houve uma decisão oficial sobre a colocação em alerta permanente. Mas os B-52 se podem 'reanimar' em curto prazo" devido à simplicidade robusta de seu projeto dos anos 50, acrescentou.

    Porém, talvez o fator mais importante seja o fato dos "obsoletos" B-52 serem uma arma ideal para lançar ataques atômicos contra a Coreia do Norte", acredita o especialista militar Vladimir Scherbakov.

    O paradoxo se enraíza na impossibilidade de utilizar outras armas atômicas em um conflito hipotético.

    "EUA retiraram os mísseis de cruzeiro Tomahawk com ogivas nucleares de seus submarinos. Mas os B-52 portam este tipo de armamento nuclear", explicou.

    Quanto aos mísseis intercontinentais, seu uso seria muito arriscado "pela densa geografia" da região.

    "Imaginem só se Moscou ou Pequim receberem um sinal de lançamento de um míssil nuclear estadunidense em sua direção, mesmo que os advirtam de Washington que a Coreia do Norte é o verdadeiro alvo, os militares não vão arriscar um possível desvio do míssil."

    Finalmente, os B-52 também têm um caráter de arma psicológica, assinala o especialista.

    "É precisamente a boa visibilidade e falta de pressa do bombardeiro. Um B-52 com mísseis nucleares debaixo das asas, que lentamente se dirige em direção ao seu alvo, cria uma impressão muito maior no rival do que os mísseis sem bombardeiro que não se podem ver a olho nu. Ou seja, Kim Jong-un terá tempo para decidir se ele quer se deslumbrar com o porta-mísseis estadunidense perseguindo o alvo (ou seja, precisamente ele), ou se é melhor ligar a Trump e dizer que ele estava brincando", gracejou Scherbakov.

    Mais:

    Ataque preventivo dos EUA não destruiria armas nucleares da Coreia do Norte, diz analista
    'Caro' Kim Jong-un ou quanto custa assustar a Coreia do Norte
    Opinião: Coreia do Norte pode provocar algo impensável – a guerra entre EUA e China
    Tags:
    bombardeiro estratégico, avião de ataque, armas nucleares, Tomahawk, B-52, Força Aérea dos EUA, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar