05:13 16 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Módulo multifuncional de interferência Krasukha 4 durante os exercícios na região de Sverdlovsk, Rússia (foto de arquivo)

    Para especialista, Moscou ganharia qualquer guerra eletrônica com Ocidente

    © Sputnik / Pavel Lisitsyn
    Defesa
    URL curta
    24253
    Nos siga no

    A Rússia é capaz de combater tanto os sistemas Patriot como o AEW&C da OTAN, já que na guerra eletrônica o mais importante não é somente atordoar o inimigo, mas lutar contra o "optimismo corruptor", explica o desenhador-geral do sistema russo de guerra eletrônica, Yuri Maevsky.

    Na sua entrevista para o periódico russo Gazeta.ru, Maevsky sublinha que Moscou não tem medo dos sistemas de defesa aérea e alerta precoce da OTAN porque entende como estes funcionam.

    "O próprio sistema Patriot, mesmo tomando em conta sua resistência às interferências, também está longe de ser perfeito. Possuímos ferramentas eficazes de guerra eletrônica para lidar com ele", assinala Maevsky, vice-presidente da empresa KRET, que faz parte da corporação Rostec.

    O especialista assinala que, apesar de que Washington se gaba do mesmo, seu "otimismo" pode não se justificar.

    "Não devemos nos esquecer de que seu 'otimismo' se baseia somente na experiência de combate contra os sistemas de defesa soviéticos nos países do terceiro mundo, que em sua maioria foram produzidos na década de 70. Não estou seguro de que conservem este 'otimismo' no combate real contra os modernos complexos de defesa aérea russos e, mais ainda, contra nossos militares", advertiu.

    De acordo com o analista, o funcionamento do sistema de guerra eletrônica russo se baseia não somente nas máquinas, mas também na informação, que permite explicar e predizer as ações dos inimigos.

    Para isso, a Rússia monitoriza constantemente as tendências de guerra eletrônica no estrangeiro, inclusive nos EUA. Ademais, são analisados todos os conflitos contemporâneos a partir da perspectiva de utilização de meios eletrônicos, dos algoritmos de funcionamento e eficiência em geral. Qualquer experiência no uso de guerra eletrônica nos conflitos armados se avalia como dados obtidos experimentalmente.

    "Para nós, existem dois tipos principais de conflitos contemporâneos: o conflito de tipo iugoslavo, quando os soldados não chegam a entrar no território do inimigo, e o conflito tipo iraquiano, ou seja, uma invasão clássica na qual primeiro se ganha a supremacia aérea e depois se obtém o objetivo principal durante uma operação terrestre. Analisamos tudo isto para que os nossos equipamentos sejam resistentes a conflitos. Por isso, nossos algoritmos do sistema de guerra eletrônica permitem aos equipamentos russos seguirem sendo eficazes durante ao menos 10-15 anos", sublinhou.

    Entre os equipamentos russos que não têm análogos no mundo, Maevsky destaca os emissores de interferências Krasukha, os sistemas Rychag-SV para proteção de aeronaves, assim como o President-S com suas "soluções nada convencionais".

    Na Síria, os helicópteros russos estão protegidos pelo complexo Vitebsk. Ademais, temos diferentes dispositivos terrestres, explica Maevski.

    Mais:

    Defesa antiaérea síria pode conter os Tomahawks norte-americanos?
    Sistemas da defesa antiaérea de Moscou estão colocados em estado de alerta
    Que capacidades possui o sistema coletivo de defesa antiaérea do antigo espaço soviético?
    Tags:
    guerra eletrônica, defesa antiaérea, Krasukha, President-S, Patriot, Rostec, Kret, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar