09:08 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    851
    Nos siga no

    Os ataques da Força Aérea dos EUA ao longo deste ano resultaram na morte de mil sírios e iraquianos, disse um representante do Ministério da Defesa da Rússia.

    Esta declaração foi feita em resposta à informação oficial do representante do Comando Central da Força Aérea dos EUA, coronel John Thomas, segundo o qual, de novembro de 2015 a setembro de 2016, morreram só 64 pessoas e oito ficaram feridas em resultado dos ataques da Força Aérea dos EUA.

    "Ouvindo tais declarações do representante do Comando Central da Força Aérea dos EUA, ficamos com a impressão de que os outros mil civis sírios e iraquianos mortos em resultado de ataques da Força Aérea dos EUA simplesmente não são considerados pessoas pelo Pentágono. Não obstante, mesmo esta forma de irresponsabilidade e cinismo dos colegas americanos deve ter limite", disse a fonte.

    Ele apontou que a aviação americana na Síria e no Iraque efetua 20 ataques por dia, o que totaliza cerca de 7300 ataques no ano passado.

    Além disso, a parte fundamental deste "trabalho" é feito por bombardeiros estratégicos B-1B e B-52 N, cuja "precisão" e "humanidade"  são bem conhecidos desde a guerra no Vietnã.

    Mais:

    EUA não buscam a federalização da Síria
    EUA continuarão apoiando parceiros na Síria em ofensiva contra Raqqa – Pentágono
    EUA não deram à Rússia nenhuma informação sobre terroristas na Síria
    Rússia mantém um diálogo permanente com os EUA sobre a Síria, diz Dmitry Medvedev
    'Possivelmente EUA prometeram Raqqa aos curdos em troca de sua presença militar na Síria'
    Tags:
    civis, feridos, mortos, ataques aéreos, ataque, Comando Central dos EUA, EUA, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar