19:52 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Sistema de artilharia antiaérea Pantsir-S1

    Pantsir-S1 protege região do Extremo Oriente da Rússia

    © Foto: Iraqi Ministry of Defence
    Defesa
    URL curta
    0 1663140

    As guarnições de sistemas de artilharia antiaérea Pantsir-S1 do efetivo do regimento de defesa antiaérea e das forças do Extremo Oriente da Rússia começaram a execução de missões de patrulha na região de Kamchatka, anunciou o porta-voz da Frota do Pacífico Vladimir Matveev.

    "Os operadores de mísseis vão estar de serviço no efetivo do grupo misto de armas da defesa antiaérea que assegura a proteção das posições aéreas na zona da responsabilidade do agrupamento", informou Matveev.

    Segundo ele, no fim de julho os militares das guarnições de sistemas Pantsir-S1 realizaram seus primeiros treinamentos de tiro no polígono de Areias Úmidas, atirando com sucesso em alvos aéreos de pequena dimensão que voavam a diversas altitudes e velocidades. 

    O sistema Pantsir-1 se destina a defesa de proximidade de instalações militares e civis de todos os meios de ataque aéreo em quaisquer condições climáticas durante dia e noite. 

    Seu poder de fogo assegura um combate efetivo contra quaisquer tipos de aeronaves tripuladas e não tripuladas de ataque, incluindo o uso de armas aéreas de alta precisão.

    Ainda antes, o embaixador do Brasil em Moscou José Antônio Vallim Guerreiro tinha comunicado que o orçamento para o ano de 2015 prevê meios para compra de armas russas.

    ​Recordemos que o Brasil queria adquirir Pantsir-S1 para assegurar a segurança das instalações dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro que serão realizados de 5 a 21 de agosto. 

    Mais:

    Proteção garantida: Sistemas Pantsir-S2 e S-400 Triumph das Forças Armadas Russas na Síria
    Rússia treina militares para implantar sistema antiaéreo Pantsir-S no Extremo Oriente
    Tags:
    defesa, tripulação, militares, proteção, treinamento, mísseis, ataque, Pantsir, Extremo Oriente Russo, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik