18:49 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    A corveta russa Gremyashchy projeto 20385

    Novo navio de guerra russo está quase pronto

    © Foto: Severnaya Verf Shipbuilding plant
    Defesa
    URL curta
    3784

    O Gremyashchy será equipado com motores construídos na Rússia, comunica o serviço de imprensa do Ministério da Defesa da Rússia.

    A corveta será totalmente equipada até o final de maio de 2016.

    A Marinha da Rússia tinha planejado dotar a corveta com motores produzidos pela empresa alemã MTU. Mas, após a introdução das sanções contra a Rússia em 2014, todos os contratos comerciais com os países que apoiaram as medidas foram congelados. 

    O primeiro teste do navio será realizado já em 2017 se os motores forem instalados até final de maio, comunica o jornal russo Rossiyskaia Gazeta. 

    O navio, construído na cidade de São Petersburgo, é destinado a apoiar operações terrestres e a conter os submarinos do adversário. O corpo da corveta é feito de materiais compósitos incorporando a tecnologia Stealth, o que o torna quase "invisível" aos radares. 

    Os motores para a corveta Gremyashchy
    Os motores para a corveta Gremyashchy
    O navio terá uma tripulação de 99 membros e também será equipado com armamento de artilharia, sistemas antimísseis e antissubmarinos, bem como com vários radares. 

    helicóptero antissubmarino Kamov Ka-27
    © flickr.com / Rob Schleiffert
    helicóptero antissubmarino Kamov Ka-27
    O armamento inclui foguetes do tipo Kalibr-NK, o sistema antiaéreo Redut e canhões A-190-01 de 100 mm. O navio também tem uma plataforma de pouso de helicópteros antissubmarino Kamov Ka-27.

    A corveta de 104 metros, tem o deslocamento de 2.200 toneladas e uma velocidade de 50 km por hora.

    Mais:

    Navio de pesquisa russo completa missão na Antártida visitando Lisboa
    Navio de mísseis da Rússia entra no Mediterrâneo rumo à Síria
    Tags:
    equipamento militar, Gremyashchy, navios, Marinha da Rússia, Ministério da Defesa (Rússia), Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik