06:17 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Lockheed Martin F-35 Joint Strike Fighter

    Problemático ‘caça do futuro’ americano pode ser inferior ao T-50 russo

    © AP Photo/ LM Ottero
    Defesa
    URL curta
    110572

    Governo americano continua a implementação de contratos para a produção dos bombardeiros F-35 Lightning II de quinta geração.

    Apesar da implementação dos contratos, o Pentágono ainda não sabe determinar com precisão a verdadeira capacidade da aeronave e sua utilização, informa a publicação digital The Fiscal Times.

    Segundo um relatório publicado por J. Michael Gilmore, diretor do Escritório de Teste e Avaliação Operacional no Departamento de Defesa, as datas para o início dos testes militares do F-35 já foram adiadas em mais de um ano, e a previsão agora para agosto de 2018.

    Ainda assim, mais de 500 aeronaves podem ser produzidas antes do fim dos testes. A lista final de modificações ao modelo básico que serão requeridas pelas forças armadas continua indefinida.

    O Fiscal Times chamou o F-35 de “caça problemático do futuro do Pentágono.” Enquanto os testes continuam, as empresas contratadas pelo governo federal produzirão cerca de 500 caças ao custo de cerca de US$ 100 milhões cada “antes que o Departamento de Defesa saiba com certeza o que o avião pode fazer e o quais serão suas utilidades.”

    O F-35 está sendo produzido nos moldes do programa Joint Strike Fighter (JSF), ou Caça de Ataque Conjunto, projetado para economizar dinheiro do orçamento com a criação de um único modelo que pode ser utilizado por todas unidades das forças armadas americanas.

    Ainda assim, o estouro do orçamento original, bem como o não-cumprimento dos prazos do JSF, tornou o programa um desastre. O conceito de “bombardeiro único” se perdeu porque cada unidade quer adaptar a aeronave a seus requisitos específicos de missões de combate.

    “O único verdadeiro caça de quinta geração em operação atualmente é o F-22. Conhecido como Raptor, o F-22 foi extremamente caro e sabidamente pouco confiável. O Pentágono tem menos de 200 deles. O Congresso parou de financiá-lo em 2009, em parte porque imaginava-se que o F-35 estava a caminho”, escreveu Gilmore.

    Ao mesmo tempo, espera-se que em 2017 a Rússia lance seu primeiro caça de quinta geração, o T-50 (PAK FA). Ou seja, até que todos problemas do F-35 sejam solucionados, o caça bombardeiro mais avançado do mundo pertencerá a Moscou, concluiu GIlmore.

     

    Mais:

    Noruega decide comprar F-35 devido à ‘ameaça russa'
    Rússia desenvolve drone para 'caçar' o F-35
    Antigos caças soviéticos são melhores do que o novo F-35 norte-americano
    Tags:
    orçamento, problemas, caça, PAK FA, T-50, F-35, The Fiscal Times, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik