20:01 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Índia desenvolveram um modelo que usa neurônios e as sinapses do cérebro humano como base para criar uma inteligência artificial adaptativa.

    Uma equipe de cientistas do Instituto de Tecnologia da Índia em Deli (IIT-Delhi, na sigla em inglês), inventou um novo modelo neuronal que ajudará a construir sistemas de Inteligência Artificial (IA) neuromórficos precisos, rápidos e eficientes em termos de energia para serem aplicados em tarefas como o reconhecimento da fala.

    De acordo com o comunicado da equipe de pesquisadores publicado na sexta-feira (16) no portal Science Reporters, o modelo neuronal que eles desenvolveram melhorará o desempenho das Redes Neurais de Picos Recorrentes (RSNN, na sigla em inglês), fornecendo convergência mais rápida, maior precisão e memória de curto prazo de duração flexível.

    Acredita-se que os neurônios e as sinapses do cérebro humano são os blocos de construção mais importantes que dão origem à inteligência. O modelo, chamado de Duplo Limiar Adaptativo Exponencial (DEXAT, na sigla em inglês) funcionará de forma semelhante e tornará o sistema de IA mais eficiente.

    "Nos últimos anos, temos demonstrado com sucesso a utilização da tecnologia de memória para além do simples armazenamento. Utilizamos eficientemente a memória semicondutora para aplicações tais como computação em memória, computação neuromórfica, IA na borda, sensoriamento e segurança de hardware", disse Manan Suri, professor e autor principal do estudo publicado na revista Nature Communication.

    "Este trabalho explora especificamente as propriedades analógicas dos dispositivos de memória baseados em óxido de nanoescala para a construção de neurônios de pico adaptativo".

    Para a equipe, esta invenção ajudará a alcançar um alto desempenho com menos neurônios, e seus benefícios foram mostrados em vários conjuntos de dados. Os pesquisadores também revelaram que foi alcançada uma classificação de precisão de 91% no conjunto de dados dos Comandos Falados do Google (GSC, na sigla em inglês). Além disso, foi descoberto que a rede neuromórfica de nanodispositivos também alcançou 94% de precisão, mesmo com uma variabilidade muito alta de dispositivos.

    Mais:

    Avanços na tecnologia e criação de robôs podem ameaçar mão de obra humana?
    Livre arbítrio hackeado: IA pode ser treinada para manipular comportamento humano, diz estudo
    COVID-19: inteligência artificial prevê 96% dos casos que exigirão cuidados intensivos, diz estudo
    Após contar árvores de desertos de Saara e Sahel, cientistas revelam resultado surpreendente
    Inteligência artificial 'ressuscita' 54 imperadores romanos (FOTOS)
    Tags:
    Índia, Google
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar