21:00 17 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    O planeta recém-descoberto TOI-1431b, localizado a cerca de 490 anos-luz da Terra, é muito grande. É três vezes mais massivo do que Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. O que é mais importante é que o TOI-1431b é "excepcionalmente" quente.

    O planeta foi descoberto por um grupo de astrônomos liderado pelo cientista Brett Addison, do Centro da Astrofísica da Universidade do Sul de Queensland na Austrália. O TOI-1431b está tão perto de sua estrela brilhante que seu período orbital é de dois dias e meio. A temperatura do planeta está entre as mais quentes já descobertas, segundo o portal CNET.

    "Estes tipos de planetas excepcionalmente quentes, conhecidos como Júpiteres ultraquentes, são bastante raros", disse Addison.

    "Este é um mundo muito infernal, a temperatura do lado diurno é de cerca de 3.000 °K [2.700 °C] e a temperatura do lado noturno se aproxima de 2.600 °K [2.300 °C], nenhuma vida sobreviveria em sua atmosfera. De fato, a temperatura do lado noturno é o segunda mais quente já medida", segundo o cientista.

    O TOI-1431b foi detectado pela primeira vez pelo Satélite de Pesquisa de Exoplanetas em Trânsito da NASA. Depois, Addison coletou dados usando o telescópio Stellar Observation Network Group, localizado nas ilhas Canárias, para confirmar a existência do planeta.

    Planeta TOI-1431b
    Planeta TOI-1431b
    "Em termos de exemplos do mundo real sobre o quão quente é o planeta, o planeta é mais quente do que o ponto de fusão da maioria dos metais e mais quente do que a lava derretida. De fato, a temperatura no lado diurno do planeta é mais quente do que em 40% das estrelas na galáxia Via Láctea. A temperatura do planeta se aproxima da do escape de um motor de foguete", segundo Addison.

    Além disso, o planeta TOI-1431b é bastante único em sua órbita, por que tem a órbita em retrocesso, o que significa que está inclinada para um ponto em que gira na direção oposta de sua estrela.

    "A descoberta apresenta uma grande oportunidade para estudar as atmosferas desses planetas para entender como se formam e migram", revelou o cientista.

    Mais:

    Titânio utilizado em vida cotidiana poderia vir de explosões de estrelas massivas, dizem cientistas
    'Praga marciana': trazer amostras de Marte poderia causar pandemia devastadora, alertam cientistas
    Vida extraterrestre está prosperando sob superfície de Marte? Cientistas avaliam chances
    Efeito estufa em Marte? Cientistas explicam como Planeta Vermelho era quente em seu início
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar