18:16 12 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de abril de 2021 (58)
    123
    Nos siga no

    Uma nova pesquisa sugere que a proteção criada pela vacina da farmacêutica Moderna contra a COVID-19 dura pelo menos seis meses.

    O relatório publicado nesta terça-feira (6) em The New England Journal of Medicine fala o mesmo que a Pfizer informou na semana passada sobre sua vacina, que funciona de maneira semelhante, segundo noticiou a AP.

    Ambos os relatórios foram baseados em testes de acompanhamento em dezenas de pessoas que receberam as vacinas durante os estudos que levaram ao uso das vacinas. Esses estudos foram feitos antes que novas variantes problemáticas, ou versões do coronavírus, surgissem e começassem a se espalhar.

    ​Um relatório, em separado, no jornal médico aponta para uma preocupação sobre as variantes. Os cientistas mediram anticorpos que podem bloquear o vírus em 50 pessoas que receberam as vacinas Sinopharm ou Sinovac, desenvolvidas na China. Muitos mostraram perda total ou parcial de eficácia contra uma variante do vírus detectada pela primeira vez na África do Sul.

    As vacinas ainda pareciam proteger contra uma variante encontrada pela primeira vez no Reino Unido e que agora está se espalhando rapidamente por Estados Unidos e outros lugares.

    A Pfizer e a Moderna disseram que estão trabalhando para atualizar suas vacinas ou possivelmente desenvolver uma dose de reforço, caso seja necessária contra estas novas variantes.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de abril de 2021 (58)

    Mais:

    AstraZeneca vendeu sua participação na Moderna por cerca de US$ 1,3 bilhão, diz mídia
    Ministério da Saúde brasileiro negocia compra de 13 milhões de doses da vacina da Moderna
    Novo estudo dos EUA sobre Pfizer e Moderna leva a crer que Sputnik V é vacina mais eficaz do mundo
    Tags:
    indústria farmacêutica, novo coronavírus, vírus, vacina, saúde, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar