03:19 21 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Determinar as fontes dos raios X de Urano pode ajudar os astrônomos a entender melhor como objetos mais exóticos no espaço, como buracos negros em crescimento e estrelas de nêutrons, emitem raios X.

    Com o auxílio do Observatório de Raios X Chandra, da agência espacial norte-americana NASA, astrônomos detectaram pela primeira vez raios X a partir de Urano. A descoberta pode ajudar os cientistas a aprender mais sobre este enigmático planeta gigante de gelo em nosso Sistema Solar. Os resultados foram publicados na quarta-feira (31) na revista científica Journal of Geophysical Research.

    Os pesquisadores usaram observações do Chandra feitas em Urano em 2002 e em 2017. No primeiro episódio, houve uma detecção menor e, 15 anos depois, um possível surto de raios X. O que pode fazer com que Urano emita raios X? A resposta: principalmente o Sol.

    Os astrônomos observaram que tanto Júpiter quanto Saturno espalham a luz de raios X emitida pelo Sol, de forma semelhante à forma como a atmosfera da Terra espalha a luz solar. Embora os cientistas inicialmente esperassem que a maioria dos raios X detectados também fossem de espalhamento, há indícios de que pelo menos uma outra fonte de raios X está presente. Se outras observações confirmarem essa hipótese, isso pode ter implicações intrigantes para a compreensão de Urano.

    Urano é cercado por partículas carregadas, como elétrons e prótons, e é possível que os anéis de Urano estejam produzindo raios X assim como acontece com os anéis de Saturno. Se essas partículas energéticas colidirem com os anéis, podem fazer com que os anéis brilhem em raios X. Outra possibilidade é que pelo menos alguns dos raios X venham de auroras em Urano, um fenômeno que já foi observado nesse planeta em outros comprimentos de onda.

    Eixo exótico

    Urano é o sétimo planeta do Sol e tem dois conjuntos de anéis ao redor de seu equador. O planeta, que tem quatro vezes o diâmetro da Terra, gira de lado, o que o torna diferente de todos os outros planetas do Sistema Solar. Urano é composto quase inteiramente de hidrogênio e hélio.

    Urano é um alvo especialmente interessante para observações de raios X por causa das orientações incomuns de seu eixo de rotação e seu campo magnético. Enquanto os eixos de rotação e campo magnético dos outros planetas do Sistema Solar são quase perpendiculares ao plano de sua órbita, o eixo de rotação de Urano é quase paralelo ao seu caminho ao redor do Sol.

    Além disso, enquanto Urano está inclinado de lado, seu campo magnético é inclinado em uma quantidade diferente e deslocado do centro do planeta. Isso pode fazer com que suas auroras sejam extraordinariamente complexas e variáveis. Determinar as fontes dos raios X de Urano pode ajudar os astrônomos a entender melhor como objetos mais exóticos no espaço, como buracos negros em crescimento e estrelas de nêutrons, emitem raios X.

    Mais:

    Lentes cósmicas detectam pequenas galáxias que podem ser menores emissoras de rádio no Universo
    Jato gigante detectado em buraco negro no Universo primitivo pode revelar mistério astronômico
    Primeiras estruturas do Universo após Big Bang eram microscópicas, sugere estudo (FOTO)
    Cometa interestelar 2I/Borisov é o mais puro e inalterado do Universo, dizem novos estudos
    Tags:
    Urano, Sistema Solar, raio X, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar