04:27 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de janeiro de 2021 (81)
    2133
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (15), a pandemia da COVID-19 ultrapassou a marca de dois milhões de mortes ao redor do planeta.

    A cifra foi confirmada segundo os dados do painel da Universidade Johns Hopkins, instituição norte-americana que vem compilando informações globais sobre a pandemia desde o início da crise sanitária. Conforme a instituição, a pandemia matou um total de 2.000.905 pessoas até o momento.

    A chegada à marca de dois milhões de óbitos mostra que a pandemia continua acelerando. O número de um milhão de mortes foi registrado no dia 28 de setembro, cerca de nove meses desde as primeiras mortes na crise sanitária global. Já o segundo milhão veio pouco mais de quatro meses depois.

    Paciente sendo retirado de ambulância durante a pandemia da COVID-19 em Nova York, EUA, 13 de abril de 2020
    © AP Photo / John Minchillo
    Paciente sendo retirado de ambulância durante a pandemia da COVID-19 em Nova York, EUA, 13 de abril de 2020

    O número de casos confirmados da doença também segue crescendo de forma acelerada. Nesta sexta-feira (15), são 93.363.092 diagnósticos confirmados da doença ao redor do mundo. Em setembro, eram cerca de 33 milhões.

    Os países mais impactados pela COVID-19 e números absolutos de mortes e casos são Estados Unidos, Brasil e Índia. Os EUA têm mais de 23,3 milhões de casos e quase 390 mil mortes. O Brasil passa de 8,3 milhões de diagnósticos e mais de 207 mil mortes. Já a Índia tem mais de 10,5 milhões de casos e quase 152 mil mortos.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de janeiro de 2021 (81)

    Mais:

    Venezuela se dispõe a levar oxigênio para pacientes com COVID-19 no Amazonas
    Paraguai registra vacina russa Sputnik V contra COVID-19, segundo RFPI
    Brasil confirma caso de reinfecção por cepa 'amazônica' do novo coronavírus
    Tags:
    Índia, Brasil, Estados Unidos, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar