18:46 18 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Agricultores encontraram em plantação no estado mexicano de Veracruz uma escultura feminina de quase dois metros de altura que pode representar uma mulher da elite ou uma divindade, ou uma mistura de ambas, dizem arqueólogos.

    A descoberta foi feita em 1º de janeiro na comunidade de Hidalgo Amajac, após confirmação de arqueólogos de que se trata da primeira estátua deste tipo encontrada na bacia do rio Tuxpan.

    O artefato pertence à cultura huasteca e pode ser do Pós-clássico Tardio (1425 d.C. – 1521 d.C.), informou na sexta-feira (8) Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do México.

    O objeto esculpido em pedra calcária mede 60 centímetros na sua parte mais larga e tem cerca de 25 centímetros de espessura.

    O bom estado de conservação permite observar alguns detalhes da escultura, tais como uma boca aberta e grandes olhos, que devem ter sido recheados com incrustações de obsidiana ou outra espécie de pedra.

    Não se sabe ao certo quem é representada na estátua, que, pelos traços, pode ser de uma jovem de elite.

    É "possivelmente uma governante por sua postura e vestimentas, mais do que uma divindade, como foram representadas quase todas as esculturas huastecas femininas associadas à deusa Tlazoltéotl", explicou a arqueóloga do INAH, María Eugenia Maldonado Vite.

    A escultura poderia ser "uma fusão tardia das deusas Teem com as representações de mulheres de alto status social ou político na [cultura] huasteca", ressaltou. Essas deusas faziam parte de culto à fertilidade.

    Mais:

    Ruínas de palácio asteca e de casa do conquistador espanhol Cortés são achadas no México (FOTOS)
    Qual o destino de mais de 8 mil ossos pré-históricos encontrados no México?
    Descobertos no México mais de 100 crânios humanos da época do Império Asteca (FOTOS)
    Tags:
    esculturas, civilizações antigas, México, artefato, arqueologia, deuses
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar