16:17 15 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    9781
    Nos siga no

    Chang'e-5 presenteou Pequim ao fincar pela primeira vez de forma independente uma bandeira chinesa em um corpo extraterrestre. Quando suas amostras retornarem à Terra, serão as primeiras vindas da Lua em 44 anos.

    A Administração Nacional do Espaço da China (CNSA, na sigla em inglês) anunciou na noite de quinta-feira (3) que a sonda completou sua missão de coletar amostras de solo lunar, lançando-as de uma cápsula em órbita lunar para uma espaçonave orbital separada, e assim poder retornar à Terra para serem analisadas. Além de suas amostras, a espaçonave também enviou fotos impressionantes da paisagem árida da Lua, bem como da cápsula de amostragem decolando.

    Fotografia tirada pela tripulação da sonda lunar chinesa Chang'e-5 mostra a árida paisagem da Lua
    Fotografia tirada pela tripulação da sonda lunar chinesa Chang'e-5 mostra a árida paisagem da Lua

    O módulo de aterrissagem pousou na superfície lunar há apenas dois dias em um local ao norte de Mons Rumker, em Oceanus Procellarum, no canto noroeste da Lua que está sempre voltado para a Terra. O local foi escolhido porque sua planície vulcânica é relativamente jovem em comparação aos locais de amostragem anteriores, de cerca de 1,2 bilhão de anos.

    Representação gráfica da cápsula coletora de amostras da sonda lunar Chang'e-5
    Representação gráfica da cápsula coletora de amostras da sonda lunar Chang'e-5
    A missão Chang'e-5 começou com uma decolagem do Centro de Lançamento de Espaçonaves de Wenchang, na ilha de Hainan, na China, em 23 de novembro. A sonda tocou a superfície lunar no dia 1º de dezembro.

    Se tudo correr bem, as amostras retornarão à Terra em torno dos dias 16 ou 17 de dezembro, pousando em algum lugar da região da Mongólia Interior, no norte da China, e serão as primeiras oriundas da superfície lunar desde que o Luna 24 da União Soviética trouxe amostras em 1976. Nessa época, e a partir de tais amostras, os cientistas soviéticos confirmaram a existência de água na Lua, fato que levou várias décadas para os cientistas americanos da NASA constatarem.

    Coletagem de amostras de rocha e poeira da superfície lunar
    Coletagem de amostras de rocha e poeira da superfície lunar

    No entanto, a sonda Chang'e-5 não está sozinha na Lua, duas outras sondas chinesas também se encontram no local. O primeiro da China a tocar a superfície lunar foi o rover Chang'e-3, que pousou em 2013, porém, sua bateria morreu após quase três anos de operação, e o Chang'e-4, que caiu do outro lado da Lua em janeiro de 2019, mas ainda está em operação.

    Decolagem da capsula com 2 quilogramas de amostras lunares
    Decolagem da capsula com 2 quilogramas de amostras lunares

    No futuro, mais sondas chinesas chegarão à Lua, nomeadamente em missões planejadas aos polos lunares e missões tripuladas de um dia.

    Mais:

    Revelada origem de objeto misterioso na órbita da Terra
    Humanos de volta à Lua: сomo será 1ª cidade extraterrestre?
    Bola de fogo 'tão brilhante como a lua cheia' ilumina o céu no Japão (VÍDEOS)
    Tags:
    ciência, descoberta, sonda espacial, Lua, Departamento de Cooperação Internacional da Administração Nacional do Espaço da China (CNSA), China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar