02:19 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no fim de outubro (54)
    0 80
    Nos siga no

    O estudo utiliza fases de transmissão e variáveis lineares e pouco regulares, e tem como objetivo ser utilizado por cientistas, decisores políticos e até mesmo pelo público em geral.

    Pesquisadores da Escola Whiting de Engenharia da Universidade Johns Hopkins, Reino Unido, usaram uma equação com o objetivo de buscar vida alienígena e assim estimar as chances de transmissão da COVID-19.

    Os cientistas se basearam na equação Drake, desenvolvida em 1961 pelo astrônomo Frank Drake, que usa sete variáveis para tentar descobrir algo tão obscuro como o número de civilizações alienígenas, disseram os autores do estudo publicado na revista Physics of Fluids.

    "Ainda há muita confusão sobre os caminhos de transmissão da COVID-19. Isto se deve em parte ao fato de não haver uma 'linguagem' comum que facilite a compreensão dos fatores de risco envolvidos", afirmou Rajat Mittal, coautor da pesquisa e professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Johns Hopkins.

    Segundo o modelo, existem três fases da transmissão do SARS-CoV-2: a expulsão para o ar de gotículas contendo o vírus de uma pessoa infectada, a dispersão dessas gotículas, e a inalação dessas gotículas por uma pessoa suscetível.

    Além dessas, existem dez variáveis, que incluem a taxa de respiração das pessoas infectadas e suscetíveis, a quantidade de partículas de vírus nas gotículas exaladas e a quantidade de tempo em que uma pessoa suscetível é exposta, explica o comunicado.

    Para ter ainda mais em conta as complexidades na transmissão do novo coronavírus, a equipe também usou um "modelo de desigualdade", em que o fator risco aumenta ou diminui dependendo de as pessoas estarem ou não praticando distanciamento social e usando máscaras faciais.

    Como esperado, se a quantidade de vírus inalada for maior que a quantidade necessária para causar a infecção, a outra pessoa ficaria doente, mas os pesquisadores da Universidade Johns Hopkins advertem que ainda se desconhece o número de gotículas necessárias para causar infecção. Foi encontrada igualmente uma relação linear entre a distância e a possibilidade de transmissão do vírus.

    Se tanto as pessoas infectadas como saudáveis estiverem usando máscaras N95, o risco de infecção cai 400 vezes em relação a um cenário em que nenhuma delas está usando a N95. O risco de infecção também aumenta quando as pessoas estão se exercitando vigorosamente, de acordo com o modelo.

    Uso na prática

    Os pesquisadores observam que eles pretendiam que o modelo fosse simples e intuitivo, para que pudesse ser acessível não apenas aos cientistas, mas também aos decisores políticos e até mesmo ao público em geral. Eles reconhecem que o modelo faz uma série de suposições, e inclui variáveis-chave desconhecidas.

    Ainda assim, os cientistas esperam que o trabalho "possa informar futuros estudos que possam preencher estas lacunas em nosso entendimento sobre a COVID-19", disse Mittal, em uma declaração citada pelo portal EurekAlert.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no fim de outubro (54)

    Mais:

    Rio: quadras de escolas de samba são liberadas para eventos
    Prefeitura de SP publica regras para retorno dos cinemas com espaçamento entre poltronas
    Deputados derrubam veto de Bolsonaro ao uso obrigatório de máscara e proteção de indígenas
    Tags:
    Universidade Johns Hopkins, COVID-19, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar