19:27 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 100
    Nos siga no

    A descoberta ocorreu durante uma escavação no povoado de Cierpice, no centro da Polônia.

    A equipe de exploração histórica WELES encontrou mais de 150 peças de bronze pertencentes a arreios de cavalo e um machado de guerra de mais de 2.500 anos.

    As 156 peças, datadas do século VI a.C. foram descobertas em uma colina arenosa localizada junto ao rio Vístula, envolvidas em folhas de bardana no interior de um saco de couro, quando Arkadiusz Kurij, membro da equipe de escavação, realizava trabalhos na área com um detector de metais, segundo a agência de notícias PAP.

    Após a descoberta, o grupo de entusiastas informou o Escritório Provincial de Proteção de Monumentos de Torun, que se encarregou de recuperar os objetos e conduzir as pesquisas científicas correspondentes.

    Por sua vez, o professor Jacek Gackowski, do Instituto de Arqueologia da Universidade Nicolau Copérnico, explicou que "os artefatos encontrados indicam que os arreios eram decorativos, como demonstram as numerosas peças tubulares e anéis feitos de metal e arame".

    O pesquisador observou que o estilo dos arreios aponta para uma infiltração de povos nômades, provavelmente Citas, neste território.

    "Talvez o tesouro de Cierpice seja um rastro de eventos dramáticos que poderiam ter ocorrido entre a população local e visitantes a cavalo vindos de terras distantes", adicionou Gackowski.

    Os trabalhos de estudo e conservação serão realizados por uma equipe de pesquisa interdisciplinar composta por historiadores, especialistas em arqueometalurgia, restauradores de arte e biólogos.

    Mais:

    Mais antigo assentamento viking de Dublin é visto sob novo prisma (FOTO)
    Arqueólogos encontram flecha viking de 1.500 anos em geleira na Noruega (FOTO)
    Tempestade 'desenterra' na Escócia cemitério viking de 1.500 anos (FOTOS)
    Tags:
    Polônia, estudo, arqueólogos, arqueólogo, arqueologia, descoberta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar