07:20 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1120
    Nos siga no

    Tábuas de argila descobertas por arqueólogos no Egito teriam conexão surpreendente com a Bíblia, avalia especialista.

    As chamadas Cartas de Amarna são uma coleção de centenas de tábuas de argila em escrita cuneiforme que faziam parte do arquivo de correspondência do faraó com os reis vassalos e governadores. Primeiramente descobertas em 1887, foram produzidas há mais de três mil anos.

    Os arqueólogos estão fascinados com estes objetos, pois revelam novas informações sobre as relações políticas e diplomáticas do Antigo Egito.

    Arqueólogo verifica antigo sarcófago de madeira encontrado em Luxor
    Arqueólogo verifica antigo sarcófago de madeira encontrado em Luxor

    Alguns especialistas consideram que estas peças são igualmente importantes para estudos bíblicos, pois incluem algumas das primeiras menções dos hebreus.

    De acordo com Tom Meyer, professor de estudos bíblicos da Faculdade da Bíblia Shasta (EUA), há razões para acreditar que as tábuas de Amarna têm uma forte conexão com narrativas da Bíblia.

    "Estas tábuas contêm não somente revelações fascinantes sobre a geopolítica do Levante pouco depois da conquista de Canaã por Israel, mas talvez proporcionem informação bíblica complementar sobre os próprios hebreus na época dos juízes bíblicos", afirmou Meyer ao tabloide Express.

    De acordo com o especialista, foi em 1887, quando os egípcios escavaram ilegalmente o Registro de Correspondência do faraó Aquenáton, que reinou entre 1300 a.C. e 1336 a.C., que descobriram as tábuas, do "tamanho da palma de uma mão".

    As tábuas continham correspondência diplomática entre o faraó e dignitários na Babilônia, Assíria e o Levante.

    Nas inscrições existem referências aos Habiru, que alguns especialistas acreditam serem antepassados dos hebreus. "Algumas [referências] até sugerem uma conexão linguística entre o termo haribu e hebreu", comenta Meyer.

    Mais:

    Bíblia passou por 'Photoshop' no século XVI para agradar rei inglês, segundo pesquisador
    Arqueologia prova que Bíblia estava correta sobre Sansão, diz acadêmico
    'Invasão' do Egito há 3.600 anos afinal não foi invasão, mostram restos antigos
    Tags:
    Bíblia, judeus, história, antiguidade, Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar